São Paulo - A presidente da Victoria’s Secret está deixando seu posto, depois de 16 anos na companhia de lingeries, 10 como CEO.

Sharen Turney se demitiu para focar em sua família e vida pessoal, assim como considerar quais serão os próximos passos de sua carreira, de acordo com comunicado.

Com 59 anos, ela continuará no conselho de administração da empresa. O cargo vago será ocupado por Leslie H. Wexner, presidente da L Brands, controladora da marca.

Turney foi responsável pelo sucesso do show anual das Angels, as modelos da marca. Além de mostrar a nova coleção, o evento também conta com shows de grandes artistas, como Ariana Grande, Taylor Swift, Ellie Goulding e Selena Gomez.

Sob o comando da presidente, as vendas crescem todos os meses desde novembro de 2013. Hoje, as vendas são 70% maiores do que eram 10 anos atrás. O faturamento anual alcançou 7,67 bilhões de dólares no ano passado.

“Estamos gratos a Sharen por sua liderança e tudo o que ela conquistou”, afirmou Wexner em comunicado.

“Temos uma forte confiança na força da marca e em oportunidades de crescimento e eu espero por tomar um papel mais ativo no cargo, e trabalhar com o time talentoso na Victoria’s Secret”, afirmou.

História da marca

A Victoria’s Secret foi criada em 1977, como uma loja onde homens pudessem se sentir confortáveis para comprar presentes para suas companheiras.

À beira da falência, ela foi comprada pela Limited Brands, hoje L Brands, por 1 milhão de dólares em 1982.

A empresa, que então tinha seis lojas e vendas por catálogo, hoje tem mais de 1.000 lojas pelo mundo, com lingeries, pijamas e os adorados cremes hidratantes.

Sozinha, a Victoria’s Secret é responsável por 70% do faturamento do grupo, que também detém as marcas PINK, Bath & Body Works, La Senza e Henri Bendel.

Tópicos: Gestão de negócios, Gestão, Presidentes de empresa, Victoria's Secret, Empresas