São Paulo - A Eucatex, fabricante de pisos e painéis controlada pela família Maluf, estaria negociando a compra da Portobello, fabricante de produtos cerâmicos, segundo a agência de notícias Debtwire. Procuradas por EXAME.com, Eucatex e Portobello afirmaram que a informação não procede. 

A compra da Portobello seria uma maneira da Eucatex expandir sua marca, que inclui produtos para a indústria da construção como placas de madeira, portas, manchas, telhas e painéis, filtros e produtos de eucalipto. A empresa alvo tem o valor estimado de 530 milhões de reais.

A Portobello faria parte da Nova Eucatex, empresa resultado da reestruturação societária que foi iniciada no mês passado e que, depois de concluída, permitiria a entrada da companhia no Novo Mercado da Bovespa, afirma a agência. De acordo com as informações, a Nova Eucatex poderia ser isolada dos passivos existentes, incluindo os inquéritos policiais que envolvem o acionista Paulo Maluf.

Segundo o Conjur, o Supremo Tribunal Federal recebeu a denúncia por acusação de lavagem de dinheiro feita pelo Ministério Público Federal contra o deputado e integrantes de sua família em setembro do ano passado. De acordo com a acusação, o então prefeito de São Paulo desviou dinheiro da construção da avenida Água Espraiada, concluída em 2000, com custo final de R$ 796 milhões. A lavagem do dinheiro teria acontecido com investimentos na Eucatex.

Este ano, em setembro, os advogados de Maluf sofreram uma derrota na justiça de Jersey e a Corte Real da ilha rejeitou mais uma tentativa de adiar o julgamento em relação ao destino do dinheiro que está congelado em contas no paraíso fiscal.

Também recentemente, com base em uma ação apresentada pelo PT em 1996, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) condenou Paulo Maluf a devolver mais de 21,3 milhões de reais aos cofres públicos da cidade de São Paulo até o fim de outubro.

Tópicos: Fusões e aquisições, Aquisições de empresas, Empresas, Eucatex, Materiais diversos, Indústria da construção, Setores, Indústrias em geral, Indústria, Portobello, Reestruturação, Gestão