São Paulo – O fato do canal de esporte ESPN ser mais vulnerável e dependente dos assinantes de TV a cabo podem fazer com que o negócio atrapalhe seu controlador, a Disney.

A afirmação está no relatório da Barclays enviado para investidores nesta semana e alerta para a pressão com a perda de assinantes pelas TVs por assinatura.

“Isso ocorre porque o modelo comercial da ESPN depende do subsídio cruzado do pacote de TV por assinatura”, afirmava os analistas no documento.

A ESPN trabalha com custos elevados que representam uma “parcela desproporcional do fluxo de caixa da Disney”, afirmam os analistas.

Há ainda a preocupação com a mudança dos padrões de consumo de conteúdo. E uma pesquisa recente da companhia de estratégias BTIG mostrou o desafio.

Negócio esportivo

Dos 115 milhões de assinantes de teve a cabo nos Estados Unidos que têm o canal, apenas 17,25 milhões estariam dispostos a pagar US$ 20 para assistir o conteúdo pelo Netflix – serviço que está sendo desenhado.

O número, equivalente a 15% do total, é bem otimista. Na pesquisa, 9% dos entrevistados disseram que pagariam o preço e outros 6% ficaram em dúvida.

Ainda assim, considerados os pagantes mensais, a companhia estaria longe de faturar os US$ 9 bilhões que consegue hoje – e teria cerca de US$ 92 milhões por ano.

Para pagar os custos do negócio, e render o mesmo que os outros canais da Disney, a ESPN teria de cobrar US$ 30 por assinante pelo Netflix, estimam analistas.

A companhia parece ter visto que o canal teria tempos complicados pela frente e se adiantou com a demissão de pessoas, em outubro.

Mais de 300 pessoas perderam seus empregos na época, um corte tão grande quanto o feito pela empresa há dois anos.

Os custos com direitos de transmissão exclusivos, no entanto, subiram de US$ 3 bilhões para US$ 5 bilhões no ano passado.

A questão é saber quanto tempo mais a Disney bancará os negócios do canal esportivo sem nenhuma certeza de que poderá se manter em forma financeiramente no futuro. 

Tópicos: Disney, ESPN, Empresas, Netflix, TV a cabo, TV