São Paulo – A Petrobras, que já foi um dos maiores orgulhos dos brasileiros, tem 32,4% de ir à falência nos próximos dois anos. É o que diz uma análise da administradora de investimentos americana Macroaxis, especializada em fazer esse tipo de cálculo.

“Baseando-se nas últimas informações financeiras divulgadas, a Petrobras tem probabilidade de falência de 32,4%. Este valor é muito maior do que o do setor”, afirma o relatório. A ExxonMobil, por exemplo, gigante do ramo de óleo e gás, tem probabilidade de falência de 0,86%. A Chevron tem 8,96% de chances e a Petrochina, outra grande concorrente, 12,27%.

De acordo com a Macroaxis, que calcula riscos de investimentos de mais de 150.000 empresas do mercado de ações, companhias com probabilidade de falência maior que 90% têm grandes chances reais de falirem nos próximos dois anos. Em compensação, empresas com até 15% de probabilidade costumam demonstrar crescimento no mesmo período.

O índice reflete o tamanho da crise que a Petrobras vem enfrentando nos últimos dois anos e que atingiu o auge – até agora – na semana passada. Depois de anunciar o reajuste no preço dos combustíveis, suas ações despencaram 10% em um só dia e a estatal brasileira perdeu 25 bilhões de reais em valor de mercado em poucas horas.

A queda aconteceu porque analistas avaliaram que o reajuste foi insuficiente para reequilibrar as contas da empresa, que continua vendendo a preços subsidiados por uma política do governo de segurar a inflação. As dívidas líquidas já chegam a 79,6 bilhões de dólares, o que levou a agência de classificação de risco Moody’s a rebaixar a Petrobras em outubro. A agência prevê que, pelo menos até 2015, as dívidas só devem aumentar.

Comunicado

Após a publicação desta matéria, a Petrobrás enviou à EXAME.com o seguinte comunicado: "A presidente da Petrobras ressalta que a companhia possui excelentes indicadores operacionais, crescentes reservas de petróleo e gás e projetos de investimento em implantação que sustentam o elevado e contínuo crescimento da produção de petróleo até 2020. Combinados com o perfil de divida da companhia, são fatores que conferem à Petrobras a classificação de “grau de investimento” pelas três principais agências de risco: Moody’s, Standard & Poor’s e Fitch".

(Matéria atualizada dia 12 de dezembro às 11h48)

Tópicos: Falências, Petrobras, Empresas, Capitalização da Petrobras, Estatais brasileiras, Petróleo, gás e combustíveis, Empresas brasileiras, Empresas estatais, Empresas abertas, Indústria do petróleo, Energia, Petróleo