São Paulo – Não, você não leu errado. Chip Bergh, CEO da Levi´s, chocou os maníacos por higiene ao dizer que o seu par de jeans favorito, que ele usa há mais de um ano, "ainda não tinha visto uma máquina de lavar". A declaração foi feita durante evento de sustentabilidade da revista Fortune, nesta semana.

Questionado sobre a frequência com que se deve lavar os jeans, ele foi direto: “Se você conversar com especialistas em tecido, eles vão te dizer para nunca lavá-los”, disse.

“Sei que isso soa nojento, mas acredite, é possível. Você pode passar um pano úmido e colocar pra secar, e funciona. Nunca tive problema de pele, nem nada parecido”, explicou, diante da plateia surpresa.

A recusa em lavar a peça de roupa - ou pelo menos, de reduzir a fequência de lavagem -  tem virtudes, segundo Bergh. Além de conservar o tecido do jeans, ajuda a preservar os recursos do planeta, no caso, a água.

Em 2008, ao avaliar o ciclo de vida do seu principal produto, a empresa descobriu que metade do consumo de água ocorre na fabricação do jeans, enquanto a outra metade ocorre na casa do consumidor, por conta de sucessivas lavagens em máquina de lavar.

Slow-fashion e a calça centenária

Em se tratando de uma das maiores empresas de vestuário do mundo e líder mundial em jeans, a declaração do CEO não é gratuita.

Há tempos, a Levi´s busca estar à frente no quesito sustentabilidade.

Através de sua coleção "Water Less", conseguiu reduzir 28%, em média, o consumo de água na fabricação do jeans tradicional. Em novos produtos, a economia chega a 96%.

A empresa se orgulha de remar contra a maré da chamada fast-fashion (moda rápida).

“No fast-fashion, onde se encontram empresas como H&M, você compra a roupa e usa três, quatro vezes e logo se desfaz dela. Acho que nós, da Levis Strauss, somos o melhor exemplo de slow-fashion”, comparou o CEO.

Prova disso é o modelo 501, a primeira calça jeans lançada pela Levi´s, que completou 141 anos este ano, e continua sempre atual.

Para a empresa, durabilidade é, em essência, sustentabilidade.

Sustentabilidade de ponta à ponta

A preocupação em reduzir a pegada ecológica se sustenta, ainda, em uma série de ações implementadas na última década.

Em 2007, a Levi's fez uma parceria com a ONG "Better Cotton Initiative" (Iniciativa para um Algodão Melhor), a fim de promover na fase de produção e tratamento do algodão a redução do uso de água e pesticidas, a preservação da biodiversidade e o respeito às normas de proteção aos trabalhadores.

Cinco anos depois, prometeu eliminar todas as substâncias tóxicas de sua cadeia de fornecedores e de produtos até 2020, ao aderir à campanha Detox, promovida pela Ong ambientalista Greenpeace.

A investida mais notável é o recente programa "Wellthread Levis", aplicada à Docker, a marca da Levi´s especializada em calças caqui.

É um pequeno projeto piloto de produção de jeans totalmente sustentável, de uma ponta à outra. Lançada em 2013, a coleção, segundo a empresa, possui tecidos mais fáceis de reciclar e que consomem menos energia e água que todas as outras linhas.

De acordo com Bergh, a empresa  avalia se essa forma de fazer jeans é produtivo e economicamente viável. “Trata-se de uma coleção da ordem de mil unidades, uma linha premium, com preço mais puxado”, diz.

No site da marca, nos EUA, o preço médio de uma calça da linha é de U$128 (cerca de R$ 280) , mais que o dobro de um modelo tradicional por lá.

Veja o vídeo de divulgação do programa "Wellthread Levis":

Tópicos: Empresas, Levi's, Indústria de roupas, Meio ambiente, Roupas, Sustentabilidade, Água