São Paulo - O Uber está buscando todas as possibilidades para ampliar sua presença e o número de usuários.

Recentemente, lançou serviços para transportar animais, malas e até pranchas de surfe. Uma ação dirigiu filhotes de cachorros a escritórios nos Estados Unidos para reduzir estresse. O Uber até firmou uma parceria com a Airbus para oferecer caronas de helicóptero.

Uma das novidades é o Uber For Business, pensado para conquistar empresas. A ideia é que companhias usem motoristas Uber para complementar ou substituir serviços de táxi, motoristas próprios ou terceirizados e, de quebra, cortar custos.

O serviço, que já existe desde o primeiro semestre de 2015, agora tem um impulso extra com a crise econômica, afirma Guilherme Telles, diretor do Uber no Brasil. "Quando a economia aperta, as empresas buscam controlar mais os gastos", diz. "É um argumento de venda".

Para empresas de tamanho médio, o Uber calculou que passar para o seu serviço poderia gerar uma economia de até 1 milhão de reais. De acordo com Telles, o crescimento semanal do uso é de dois dígitos.

Essa é uma das maneiras com que a companhia, que já tem mais de 800.000 usuários no Brasil, pretende alcançar 30.000 motoristas até outubro de 2016 no país. Hoje, são mais de 7.000.

Como funciona

Depois que a empresa se cadastra no Uber For Business, ela determina quais funcionários podem usar o serviço. Não há mensalidades ou custos fixos.

Ao pedir um carro, o funcionário deve indicar no aplicativo que está fazendo uma viagem corporativa. A conta do trajeto vai direto para a empresa, que receberá mensalmente um relatório dos gastos.

Não é necessário reembolsar o funcionário por uma corrida de táxi, por exemplo. A empresa também terá a certeza de que o motorista fez o melhor caminho, podendo pedir reajustes da tarifa que foi paga.

Em novembro o Uber rebaixou os preços de todas as tarifas em 15% a 20%, deixando o serviço ainda mais barato.

Outra vantagem, afirma a companhia, é que o carro não fica ocioso. O motorista Uber está sempre atendendo a algum chamado, seja de pessoa física ou jurídica, aumentando sua eficiência.

Para garantir que o serviço será usado apenas para viagens corporativas, a empresa pode definir algumas restrições. Por exemplo, os carros só podem partir da sede da empresa ou apenas dentro do horário comercial.

Benefício para quem vem de fora

Um dos clientes do Uber For Business no Brasil é o MercadoLivre. O site de compras e vendas usa o serviço há pouco mais de seis meses.

A empresa tinha uma demanda alta por transportes e, além disso, o escritório é em Alphaville, cidade próxima a São Paulo - o Uber não cobra taxa de deslocamento entre as cidades.

Segundo Helisson Lemos, diretor geral do MercadoLivre no país, a proposta do Uber veio complementar o serviço de táxi corporativo e de fretados e a economia normalmente é de cerca de 20%.

Com escritórios em 16 países, outro apelo ao serviço do Uber eram as visitas de executivos internacionais. "Buscamos várias opções para atender esse time, que é exigente", diz Lemos.

"Decidimos usar o serviço para empresas para otimizar tempo e dinheiro. Como somos uma empresa aberta, tomamos decisões para revisar os custos e dar maior retorno ao acionista", afirma.

Tópicos: Carros, Autoindústria, Veículos, Crise, Empresas, Estratégia, Gestão, Investimentos de empresas, Uber