São Paulo - O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro confirmou agora pouco por telefone que o pedido de recuperação judicial da OGX deve chegar às mãos do juiz Gilberto Clovis Farias Matos, da 4ª vara empresarial, até a próxima sexta.

Caberá ao magistrado julgar a validade ou não da solicitação - dando início efetivo à recuperação judicial. De acordo com Francisco Satiro, professor de direito dos negócios da FGV, o pedido só é negado em casos muito específicos - nos quais a documentação da empresa está irregular, por exemplo. Ele acredita que isso não acontecerá com a OGX.

Com dívidas estimadas em cerca de 4 bilhões de dólares, a OGX entra em recuperação judicial por conta de um valor muito menor. Trata-se dos 45 milhões de dólares que a companhia deixou de pagar a detentores de títulos da sua dívida no começo de outubro.

Resta saber se a companhia petrolífera criada por Eike Batista será capaz de se reerguer, uma vez que a empresa tem hoje uma produção minguada e um fluxo de caixa mínimo.

Tópicos: Eike Batista, OSX, MMX, Personalidades, Empresários, Justiça, Empresas, OGpar -ex-OGX, Petróleo, gás e combustíveis, Indústria do petróleo