Lima - O consórcio formado pela brasileira Odebrecht e a espanhola Enagás ganhou nesta segunda-feira a concessão do Gasoduto Sul Peruano (GSP), com US$ 7,328 bilhões de investimento total, informou a Agência de Promoção do Investimento Privado (ProInversión).

O consórcio ganhador, batizado de Gasoduto Sul Peruano, venceu o consórcio Gasoduto Peruano do Sul, formado por GDF Suez, Sempra, Techint e TGI, desqualificado no fim do processo.

Os dois grupos entregaram em 26 de junho as propostas técnica e econômica, depois de a terceira empresa pré-qualificada, Energy Transfer, se abstivesse.

O projeto Gasoduto Sul Peruano (GSP) inclui o desenho, financiamento, construção, operação, manutenção e transferência ao Estado Peruano de um Sistema de Transporte de Gás Natural com uma longitude de mais de mil quilômetros e um diâmetro de 32 polegadas, em três trechos.

O ministro de Minas e Energia do Peru, Eleodoro Mayorga, disse que o governo peruano está satisfeito de ter concluído este processo de concessão, uma das principais promessas de campanha do presidente Ollanta Humala.

"Isto nos permitirá entregar energia a baixo custo, energia limpa" ao sul peruano, destacou o ministro, em referência às regiões que serão beneficiadas pelo gasoduto: Cuzco, Arequipa, Tacna, Moquegua e Puno.

Após a leitura dos resultados do processo, os representantes do consórcio Gasoduto Sul Peruano manifestaram "satisfação muito grande" e disseram que acreditam que poderão iniciar a obra "o mais breve possível."

Um representante da Enagás assinalou que se trata de "um projeto de máxima importância para o Peru e poremos todo esforço e conhecimento" na construção do gasoduto.

O Gasoduto Sul Peruano é um projeto de gasoduto e poliduto que percorrerá 1.080 quilômetros desde Camisea (na região de Cuzco) até Ilo (na região de Moquegua), onde será instalado um polo petroquímico.

A Enagás informou que investiu US$ 481 milhões para adquirir 20% de Transportadora de Gás do Peru (TGP), proprietária do gasoduto da reserva de Camisea, em Lima.

A empresa administra 11 mil quilômetros de gasoduto e cinco unidades de regasificação na Espanha, enquanto a Odebrecht já realizou obras em 26 países que significaram um faturamento de US$ 43 bilhões em 2013, segundo comunicado das companhias divulgado em maio em Lima.

Tópicos: Gás, Investimentos de empresas, Licitações, Odebrecht, Empresas, Empresas brasileiras, Peru, América Latina