São Paulo - Embora rumores apontem que a OSX, empresa de construção naval do grupo EBX, possa ter o mesmo fim que a OGX, petroleira do grupo, a companhia de Eike Batista está correndo contra o tempo para evitar o pedido de recuperação judicial.

Como precisa levantar recursos para impedir um possível processo de falência, uma das opções da companhia seria vender pelo menos três de suas plataformas e quitar dívidas com vencimentos de curto prazo. Com a operação, a OSX teria condições de levantar pelo menos 1 bilhão de dólares.

A operação, no entanto, demanda tempo e o prazo da OSX está curto, uma vez que precisa até a próxima semana apresentar soluções para evitar o processo de recuperação judicial.

Caso consiga negociar as plataformas, o montante não é suficiente para quitar todos os seus débitos, mas acalmaria os ânimos dos credores da empresa, pelo menos por enquanto. Até junho deste ano, a OSX somava dívidas de 5,3 bilhões de reais e tinha cerca de 800 milhões de reais disponíveis em caixa.

Como estratégia mais rápida, o estaleiro de Eike estaria também buscando o apoio de instituições financeiras e até parceiros da companhia para conseguir dinheiro imediatamente, uma vez que precisa honrar dívidas em atrasos e que já estão sendo cobradas judicialmente. 

De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, desta quinta-feira, a OSX está tentando levantar cerca de 400 milhões de reais e o montante poderia vir de três diferentes fontes: de uma parceria com o grupo espanhol Dragados no porto do Açu, de um empréstimo junto aos bancos Santander e Votorantim e com a venda de equipamentos.

Apoio do BNDES

Se depender do BNDES, um dos credores da empresa, ela não tem razões para pedir recuperação judicial. Segundo Luciano Coutinho, presidente do banco, a OSX tem ativos valiosos e precisa apenas de tempo para encontrar uma estratégia sensata para o seu atual problema.

Coutinho falou hoje com a imprensa após participar de reunião na Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), no Rio de Janeiro, e sinalizou que deve renovar o prazo do empréstimo-ponte do estaleiro. A companhia tem o financiamento de 418 milhões de reais com o BNDES, a dívida vence no fim de novembro.

Nenhum vínculo com a OGX

A OSX foi criada para ser a principal fornecedora de plataformas e embarcações para a OGX. Nesta semana, no entanto, a companhia anunciou o cancelamento dos acordos com a petroleira, alegando atraso no pagamento. Por meio de comunicado, a OSX disse que deve entrar na justiça para receber o dinheiro devido.

Até mesmo a postura de se desvincular da OGX pode apontar que a OSX não pretende seguir os mesmo passos que a irmã mais velha.

Tópicos: Eike Batista, OSX, MMX, Personalidades, Empresários, Empresas, OGpar -ex-OGX, Petróleo, gás e combustíveis, Indústria do petróleo