São Paulo - A rede de lojas de departamento Macy's anunciou que pretende cortar 400 milhões de dólares em despesas ainda no início deste ano.

A economia será feita por meio do fechamento de lojas, dispensa de funcionários e redução de gastos administrativos.

Segundo comunicado divulgado pela empresa na quarta-feira (6), cerca de 3.000 trabalhadores de lojas da rede e da sua controladora (a Bloomingdale's) devem ser demitidos nos Estados Unidos.

Ao todo, 36 pontos de venda terão as atividades encerradas.

Será aberto ainda um programa de desligamento voluntário para 165 executivos seniores. Aproximadamente 35% dessas vagas não serão repostas.

Também devem ser dispensados cerca de 600 funcionários administrativos e outros 700 das áreas de crédito e serviços de atendimento ao consumidor.

O número de call centers dedicados a este último segmento cairá de quatro para três.

No total, aproximadamente 4.500 trabalhadores estão na lista de corte. Parte deles, porém, poderá ser realocada.

No geral, três de cada quatro postos de trabalho da Macy's e da Bloomingdale's serão afetados de alguma forma pela reestruturação.

"Devido a nossas vendas e desempenho decepcionantes, estamos fazendo ajustes para nos tornar mais eficientes e produtivos em nossas operações", disse em nota Terry J. Lundgren, presidente do conselho e CEO da Macy's. 

O fechamento das lojas e as demissões devem custar aproximadamente 200 milhões de dólares em encargos, segundo a companhia. 

Em 2014, a Macy's faturou 28,1 bilhões de dólares em vendas. Até abril do ano passado, último balanço disponível, ela tinha cerca de 900 lojas em 45 estados norte-americanos.

Tópicos: Cortes de custo empresariais, Gestão, Demissões, Desemprego, Macy´s, Macy's, Empresas americanas, Lojas de departamento, Varejo, Setores, Comércio