São Paulo - A Gol informou hoje que está suspendendo operações em Caracas, na Venezuela. O motivo é uma negociação com o governo venezuelano que vem se arrastando por meses.

A empresa brasileira pede repatriação de recursos no valor de 351 milhões de reais, que estão retidos no país. A Gol afirma que a suspensão da operação é temporária, mas que irá durar até que a questão dos valores seja resolvida. Não existe previsão para que isso aconteça.

Em comunicado, a Gol afirmou que irá reacomodar os passageiros afetados em voos de outras companhias. A suspensão se iniciou hoje. Um voo da empresa que sairia de Guarulhos (São Paulo) para Caracas foi cancelado.

Empresas aéreas operando na Venezuela são obrigadas a vender usando a moeda local, o bolívar. O dinheiro é usado para pagar gastos locais. Somente depois é convertido para dólar para que possa ser repatriado pelas empresas.

Ao longo dos últimos anos, no entanto, a taxa de conversão do bolívar para o dólar tem variado muito. A taxa preferencial passou de 4,30 bolívares por dólar em 2012, para 12 bolívares por dólar, no ano passado.

A Gol não é a única empresa que tem enfrentado este problema. Outras companhias também estão descontentes. O jornal Valor Econômico relembra que recentemente a Alitalia e Air Canada suspenderam operações na Venezuela sob os mesmos argumentos da Gol.

Segundo a Associação Internacional do Transporte Aéreo (Iata), empresas de aviação ao redor do mundo têm 3,9 bilhões de dólares retidos no país.

A Venezuela vem tentando pagar as dívidas com as companhias aéres por temor que mais parem de operar por lá. As próprias companhias já afirmaram que o país poderá ficar isolado, uma vez que elas não poderão continuar trabalhando sem receber os pagamentos devidos.

Tópicos: Companhias aéreas, Gol, Aviação, Empresas, Setor de transporte, Empresas brasileiras, Serviços, Venezuela, América Latina