São Paulo - A rede social Facebook anunciou na noite desta quarta-feira que irá comprar o aplicativo de mensagens WhatsApp por 16 bilhões de dólares. O pagamento deverá ser feito com 4 bilhões de dólares em dinheiro e 12 bilhões de dólares em ações.

O valor total pode subir para até US$ 19 bilhões por conta de uma cláusula adicional de US$ 3 bilhões em ações que serão concedidas aos fundadores e colaboradores ao longo de quatro anos.

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, disse em uma mensagem estar bastante animado com a aquisição. Segundo ele, o aplicativo deverá continuar a operar de forma independente da rede social.

Segundo o comunicado divulgado pela rede social, a aquisição vai "acelerar a habilidade do Facebook de trazer conectividade para o mundo".

Pelo acordo, Jan Koum, cofundador e CEO do WhatsApp, deverá se juntar ao Facebook como executivo e deverá também se tornar membro do conselho de administração. O executivo se disse "excitado e honrado pela parceria com Mark e o Facebook para continuar a levar o produto para mais pessoas no mundo todo".

O WhatsApp é um aplicativo para a troca de mensagens em smartphones e tem mais de 450 milhões de usuários ativos mensalmente. Possui também um volume de mensagens diárias que se aproximam ao do SMS.

Apesar do alto valor da compra, em dezembro, apenas 50 pessoas trabalhavam na companhia, segundo o site Re/Code. A Forbes diz que hoje ela tem 55 funcionários.

Texto atualizado às 20h00min do mesmo dia, para adicionar mais informações.

Tópicos: Apps, Fusões e aquisições, Aquisições de empresas, Facebook, Redes sociais, Empresas, Internet, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, Empresas de internet, WhatsApp