São Paulo - A fábrica de monitores e painéis digitais da Philips e da AOC em Jundiaí, no interior de São Paulo, será fechada.

A planta pertence à Envision, empresa do grupo chinês TPV Technology, que detém a produção dos monitores das duas marcas e ainda fabrica aparelhos para outras companhias.

As atividades começam a ser encerradas em abril. Até julho, toda a fabricação migrará para a unidade da TPV em Manaus (AM), onde já são montados televisores.

Cortes

A fábrica da TPV em Jundiaí emprega 530 pessoas. Destas, 320 serão demitidas.

Outros 120 funcionários serão transferidos para o centro de distribuição da empresa, que fica na mesma região, e 90 irão para o escritório administrativo, em São Paulo.

A fabricante não explicou o porquê do fechamento da planta, apenas alegou “motivos estratégicos".

"A TPV identificou, e assegurou, que a unidade de Manaus, de maior metragem, possui capacidade para absorver toda a linha de produção da empresa, centralizando os serviços em uma mesma planta, garantindo maior eficiência e sinergia e incrementando a competitividade", disse a companhia em nota.

Cenário

Conforme dados da Euromonitor, a venda de monitores vem caindo não só no Brasil como no mundo todo, um reflexo do maior uso de dispositivos móveis.

De 2010 para 2015, as unidades comercializadas do aparelho baixaram de 61,2 milhões para 27,7 milhões no planeta e de 1,8 milhão para 1,1 milhão no país  quedas de 34% e 17,3%, respectivamente.

As previsões da consultoria para os próximos cinco anos também são negativas: de recuo de 31,3% dos monitores vendidos no mundo e de 24,1% no Brasil.

Texto atualizado às 13h20 para incluir dados de mercado. 

Tópicos: Empresas chinesas, Empresas de tecnologia, AOC, Empresas, Crise, Demissões, Desemprego, Gestão, Fábricas, Philips, Indústria de eletrodomésticos, Indústria eletroeletrônica, Empresas holandesas