São Paulo - O Facebook anunciou, pela primeira vez, um lucro trimestral maior que 1 bilhão de dólares. O recorde foi impulsionado por uma fonte de receitas que, há alguns anos, era inexistente - anúncios em plataformas mobile.

No último trimestre, as receitas de propagandas em smartphones e tablets representaram 80% do total. Três anos atrás, o segmento correspondia a apenas 20%.

Com o avanço desse segmento, o lucro líquido da empresa de Mark Zuckerberg atingiu 1,56 bilhão de dólares no quarto trimestre do ano, contra 696 milhões de dólares no mesmo período de 2014.

Hoje, a maior parte dos acessos à rede social acontece por meio de smartphones ou tablets. No último trimestre, o número de usuários que usam o Facebook todo mês foi de 1,59 bilhão. Desses, cerca de 1,44 bilhão de usuários acessaram a rede social por dispositivos móveis.

A empresa viu a transformação do acesso à sua plataforma há alguns anos e, desde então, investiu em novos serviços e anúncios para os aparelhos mobile.

Para garantir acesso ao Facebook até em áreas mais remotas, a empresa investiu no projeto Free Basics, que garante acesso a um número limitado de sites.

A companhia também lançou a versão Lite, opção mais leve do aplicativo para locais com conexão fraca à internet. Em dezembro, 80 milhões de pessoas já usavam o app. Ainda esse ano, ela pretende testar o drone Aquila, que irá levar internet a regiões remotas.

Potencial para crescer

Analistas acreditam que há espaço para que as receitas de anúncios cresçam ainda mais.

Um dos exemplos é a publicidade em vídeo. Mais de 8 bilhões de vídeos foram vistos na rede social todos os dias. Segundo o Facebook, as pessoas passaram mais de 100 milhões de horas a cada dia assistindo vídeos.

Para aumentar o sucesso do formato, a empresa anunciou que pretende criar um espaço dedicado a vídeos no aplicativo mobile.

O Instagram também tem investido em publicidade em sua plataforma. O aplicativo lançou anúncios no meio do feed de fotografias, além de vídeos curtos de 30 segundos.

Em 2016, as receitas de publicidade do Instagram devem chegar a 1,37 bilhão de dólares nos Estados Unidos e 1,48 bilhão de dólares no resto do mundo, segundo previsões

Um dos motivos que pode impulsionar as receitas de publicidade no app é que 98 dos 100 principais anunciantes do Facebook também anunciam no Instagram, segundo Sheryl Sandberg, vice-presidente de operações.

Tópicos: Facebook, Redes sociais, Empresas, Internet, Empresas americanas, Empresas de tecnologia, Empresas de internet, Investimentos de empresas, Lucro, Mark Zuckerberg, Personalidades, Marketing digital, Publicidade, Resultado, Gestão, Vídeos