O Burger King disse nesta segunda-feira que planeja introduzir menos itens sazonais e de tempos limitado a seu cardápio em uma proposta para ajudar operadores de restaurantes a melhorar os lucros e acelerar o serviço.

O Burger King, que divulgou um lucro do terceiro trimestre melhor que o esperado, recentemente adicionou uma lista de produtos como sundae de bacon e um menu de verão com batatas fritas de baixo teor de gordura, que se tornaram itens permanentes.

A companhia está agora "focada em introduzir menos produtos, mas de maior impacto. Um bom exemplo é o lançamento recente das fritas", disse o presidente-executivo Daniel Schwartz em conferência com analistas.

As vendas em restaurantes estabelecidos subiram 3,7 por cento na região da Ásia-Pacífico, incluindo a China, onde os concorrentes McDonald's e Yum Brands, controlador da rede KFC, viram vendas mais suaves. Analistas esperavam crescimento de 2,7 por cento nesta região, de acordo com a Consensus Metrix.

Este resultado foi ofuscado pela fraqueza de outras partes do mundo.

O Burger King disse que as vendas nos mesmos restaurantes nos Estados Unidos e Canadá caíram 0,3 por cento, devido à continuidade na fraqueza dos gastos dos consumidores e intensa competição de preços entre redes de fast-food. Analistas esperavam alta de 0,8 por cento.

O Burger King também divulgou vendas abaixo do esperado no negócio da Europa, Oriente Médio e África, com avanço de 2,4 por cento.

As vendas nas mesmas lojas globais do Burger King cresceram 0,9 por cento, equiparado-se às do McDonald's, que na semana passada alertou que as vendas globais ficariam relativamente estáveis em outubro por causa da competição e fraca recuperação econômica.

O lucro líquido do Burger King subiu para 68,2 milhões de dólares, ou 0,19 dólar por ação, ante 6,6 milhões de dólares, ou 0,02 dólar por ação, um ano antes.

Em bases ajustadas, o lucro foi de 0,23 dólar por ação, acima das estimativas de analistas de 0,21 dólar, de acordo com a Thomson Reuters I/B/E/S.

Tópicos: Empresas, Burger King, Comida rápida, Hotelaria e Restaurantes, Estratégia, Gestão, Fast food, Lucro