São Paulo - O Grupo BTG Pactual anunciou nesta quinta-feira a demissão de 305 empregados no Brasil, ou 18,5 por cento de seu quadro de funcionários no país, confirmando reportagem da Reuters publicada na quarta-feira.

Em comunicado ao mercado, o banco de investimentos disse que busca, com o corte de pessoal em São Paulo, no Rio de Janeiro e em outras cidades do país, reduzir seus custos totais em 25 por cento. O grupo informou ainda que "nenhuma linha de negócios foi ou será desativada".

Na quarta-feira, uma fonte disse à Reuters que o BTG Pactual planejava cortes de até um quarto de sua equipe sediada no Brasil, parte do esforço para adaptar o quadro de pessoal ao novo tamanho da instituição após a prisão em novembro do fundador do grupo, André Esteves.

Esteves, que também era presidente-executivo do BTG Pactual, foi preso sob acusação de obstruir a operação Lava Jato, que investiga um esquema bilionário de corrupção envolvendo a Petrobras. O banqueiro, que nega as acusações, foi colocado em prisão domiciliar em dezembro.

Após a prisão de Esteves, o maior banco de investimentos da América Latina começou a vender ativos e a desmontar operações no mercado financeiro.

Os ativos totais do banco caíram 12 por cento, para 266,6 bilhões de reais, em dezembro contra setembro de 2015. Uma série de ativos, incluindo carteiras de crédito e participações em companhias, foram colocados à venda para reforçar a liquidez.

Excluindo a gestora de recursos na Suíça BSI do grupo, o BTG Pactual tinha cerca de 3.300 empregados no mundo em dezembro.

"DEDICAÇÃO"

Os cortes de empregos atingiram todas as áreas, incluindo atividades fundamentais como banco de investimento, vendas, trading e gestão de recursos, disseram duas fontes com conhecimento direto do assunto nesta quinta-feira.

"O BTG Pactual esclarece, ainda, que nenhuma linha de negócios foi ou será desativada, e que continuará atendendo aos seus clientes com a mesma dedicação, excelência e qualidade de serviços", disse o banco em nota ao mercado.

Uma das duas fontes disse que alguns empregados nos EUA na divisão de mercados de capitais foram demitidos, entre eles Hugo Souza, Cristiano Leão e Antonio Filpo, que se juntou recentemente ao BTG Pactual vindo do Banco Safra para liderar a unidade de private banking aberta em Miami em abril.

Esforços para falar com Souza, Leão e Filpo não foram bem-sucedidos. O BTG Pactual não fez comentários além das informações no comunicado ao mercado.

Texto atualizado às 20h53

Tópicos: André Esteves, Personalidades, Empresários, Banqueiros, Bilionários brasileiros, Bancos de investimentos, Empresas, BTG Pactual, Holdings, Empresas abertas, Demissões, Desemprego, Gestão