Telefonia e e-commerce

São Paulo - De fruto de uma iniciativa pessoal a canal de comunicação entre empresas e clientes. Desde que foi fundado em 2001 pelo empresário Maurício Vargas, o Reclame Aqui já cadastrou mais de 4 milhões de pessoas e atualmente recebe em média 7.000 reclamações de consumidores por dia. O que antes era um canal informal tornou-se uma importante ponte entre empresas e consumidores nos últimos anos.

O ranking de empresas mais reclamadas reúne as 10 organizações com mais queixas desde que foram cadastradas no site e é atualizado a cada seis horas (os números da reportagem são referentes à meia-noite desta quinta-feira). Como era de se esperar, prestadoras de serviços para uma grande base de clientes são as campeãs de reclamações, como é o caso das empresas de telefonia, TV a cabo e banda larga. Cobranças indevidas são os problemas mais relatados.

Mas felizmente o serviço parece estar melhorando, como atesta o fundador do Reclame Aqui: “Parece que as empresas estão se enquadrando nas leis”. Os problemas agora são as lojas virtuais e seus atrasos em entregas. “O e-commerce brasileiro vai entrar em colapso. Só nos meses de dezembro de 2010 e janeiro de 2011 foram 45.000 reclamações das 13 maiores lojas cadastradas no site”, afirma Vargas.

Tópicos: B2W, Varejo, Empresas, Comércio, Empresas de internet, Empresas brasileiras, Claro, 3G, Telecomunicações, Operadoras de celular, Empresas mexicanas, Serviços, Consumo, Direito do consumidor, Internet, NET, TV a cabo, TV paga, Empresas abertas, Brasil Telecom, Oi, Telemar, Empresas portuguesas, Reclame Aqui, Telefônica, Empresas espanholas, TIM, Empresas italianas, Vivo