São Paulo – Possivelmente você já sabe que o Brasil enfrenta problemas com escassez de mão-de-obra qualificada. Para fugir desse problema, não há solução milagrosa – nem almoço grátis.

Qualquer estratégia acaba passando por algum investimento no capital humano da empresa. Um consolo: muitos países se encontram na mesma situação.

Pesquisa recente do The Conference Board, aponta que o maior desafio dos CEOs neste ano é gerir seus recursos humanos de forma adequada. “Em alguns setores, estamos muito parecidos com outros países”, diz o Diretor Nacional de Educação, da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-Nacional), Luiz Edmundo Rosa.

O especialista sugere sete ideias para quem precisa enfrentar o apagão de talentos.

1 Crie equipes polivalentes

Até muito pouco tempo atrás, quanto mais especialista fosse o funcionário, melhor. Hoje em dia, defende Rosa, o mais importante é ser capaz de ter várias atividades simultâneas. Ele afirma que essa é a melhor alternativa para reaproveitamento de mão-de-obra.

“Invés de mudarmos o empregado quando o serviço dele não está mais sendo usado, mudamos o empregado de função”, diz. 

Ele conta que participou do processo de implantação da polivalência na rede de hotéis Ibis. “Habilitamos mais pessoas para trabalhar em diferentes áreas. Então quando o check in estava cheio, por exemplo, outras pessoas de outras funções vinham para a recepção atender. Era assim em todas as áreas”, diz.

2 Atualize as propostas de valor

Salários e benefícios não podem ser a única proposta de recompensa oferecida pelas empresas. “Hoje as pessoas querem trabalhar em companhias que das quais se orgulhem”, afirma Rosa. 

Mais que isso, é fundamental evitar desequilibrar as curvas salariais da empresa. Contratar funcionários a peso de ouro pode não só dificultar a baliza interna dos salários como cria mal estar entre os funcionários. Para completar, não deixe de lado as oportunidades de carreira. “Tudo isso pode ser fonte de motivação.”

3 Tenha um plano de educação corporativa

Para Rosa, principal diferencial na nossa falta de mão-de-obra está na qualificação. “A principal razão da escassez de talentos está na má qualidade do ensino”, diz. 

Por isso, um plano de educação executiva pode ser o melhor caminho para capacitar internamente os próprios funcionários. “Vejo empresas que estão recrutando há mais de seis meses. Por que não contratar alguém mediano e treiná-lo dentro de casa?”, diz. “É preciso montar um plano estratégico de educação.”

4 Seja parceiro das escolas

Quando não há a intenção de institucionalizar a educação executiva, a empresa pode trabalhar em parceria com outras escolas, em programas idealizados a quatro mãos.

É uma forma de assegurar que o conteúdo tem objetividade e atende diretamente a demanda da empresa.

5 Invista nas classes menos favorecidas

Nas periferias, a questão da má qualidade da educação é ainda mais profunda, o que cria uma reserva de talentos em potencial.

Segundo Rosa, a valorização de cada conquista é um dos principais motores desse público, que reconhece quem são aqueles que de fato oferecem a oportunidade de crescimento.

6 Seja um lugar melhor para trabalhar

Segundo Rosa, foi-se o tempo em que o funcionário aceitava ser tratado como mais uma força de trabalho dentro da equipe. “As empresas estavam mal acostumadas a oferecer pacotes genéricos a todo mundo, hoje as soluções precisam ser personalizadas”, diz.

Por exemplo, adequar o pacote de benefícios à idade dos funcionários pode ser um bom começo. “Para uma pessoa de 20 anos, o mais importante é oferecer uma melhora na qualificação. Aos 30, a preocupação maior é com bem estar e educação dos filhos. A estabilização da carreira aos 40, requer novas formas de reconhecimento. E assim sucessivamente”, afirma. 

7 Cuide bem dos seus talentos

Não se faz engajamento sem valorização do seu público interno. Essa é a regra de ouro da retenção da mão-de-obra qualificada. “As empresas precisam tratar melhor o funcionário que está dentro de casa”, afirma. 

Exemplo disso são as empresas que procuram disponibilizar oportunidades de crescimento e qualificação primeiro para quem já faz parte da equipe.

Tópicos: Contratações, Gestão, Desempenho, Eficiência, Gestão de pessoas, Gestão de negócios, Motivação, Mão de obra, Recrutamento, Recursos humanos, Talentos