Ministério processa Mendes Júnior por atrasos

A companhia está com o seu vice-presidente, Sérgio Cunha Mendes, preso em Curitiba desde novembro do ano passado

Brasília – A empreiteira Mendes Júnior passou a ser alvo de processos administrativos movidos pelo Ministério da Integração Nacional por atrasos na execução de obras da transposição do Rio São Francisco.

A companhia está com o seu vice-presidente, Sérgio Cunha Mendes, preso em Curitiba desde novembro do ano passado, envolvido com as investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

O ministério também quer aplicar multas sobre a construtora nesse novo episódio de complicações enfrentadas pela construtora.

Dona de dois contratos do projeto da transposição, que somam mais de R$ 1,2 bilhão, a Mendes Júnior tem feito demissões em massa na obra desde o fim de 2014.

As paralisações teriam relação direta com as dificuldades financeiras enfrentadas pela empresa. Para resolver a situação, a empreiteira negociou um empréstimo com o Banco Mercantil do Brasil para retomar as obras.

Questionada sobre o financiamento e as causas da paralisação, a Mendes Júnior limitou-se a dizer que “as obras encontram-se em andamento dentro do previsto”.

Em nota, o Ministério da Integração confirmou haver um processo administrativo para apurar possíveis falhas: “A empresa apresentou defesa que está em análise pela área jurídica do ministério. Após a conclusão desta análise poderá ser definida a penalidade”.

A atuação da Mendes Júnior no São Francisco acaba de ser alvo de auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU).

O levantamento revela que, de setembro de 2014 até agora, o número de trabalhadores da empresa nos dois lotes caiu de 2,6 mil para quase 1,8 mil funcionários.

O corte se concentrou no principal lote tocado pela empresa, cujo investimento total soma R$ 926,9 milhões.

A preocupação do governo é adiar novamente a conclusão da obra. Até dezembro, a execução física no lote principal tocado pela Mendes Júnior só havia atingido 50,3% do total contratado.

No lote menor, de R$ 321,8 milhões, os trabalhos chegavam a 86,9% de execução física.

Água

A Mendes Júnior atua em dois lotes no chamado “Eixo Norte” da transposição, uma calha de concreto prevista para alcançar 260 quilômetros de extensão, com início no município de Cabrobó, em Pernambuco.

A segunda adutora que compõe o projeto é o “Eixo Leste”, que captará água na barragem de Itaparica, em Floresta (PE), e avançará mais 217 quilômetros.

A promessa é de que essa rede levará água a 12 milhões de habitantes em 390 municípios do agreste e do sertão de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.

Inicialmente estimada em R$ 4,7 bilhões e prevista para ser concluída em 2012, a transposição já se tornou uma das obras mais caras e atrasadas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). São R$ 8,8 bilhões.

Pelo cronograma atual, a meta é entregar o Eixo Norte até maio de 2016. Em novembro de 2016 seria entregue o Eixo Leste. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.