Dólar R$ 3,28 0,39%
Euro R$ 3,69 0,36%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,49% 62.945 pts
Pontos 62.945
Variação -0,49%
Maior Alta 9,25% JBSS3
Maior Baixa -4,26% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 12:55 FONTE

Lucro da Vale cresce 25% e vai a R$ 7,8 bilhões

No primeiro trimestre do ano passado, lucro da mineradora tinha sido de R$ 6,3 bilhões

São Paulo – A mineradora brasileira Vale registrou lucro líquido de 7,891 bilhões de reais entre janeiro e março, melhor resultado desde o terceiro trimestre de 2013, com alta de 25 por cento ante o mesmo período do ano passado, informou a empresa nesta quinta-feira.

O resultado foi impulsionado pelo aumento da produção e recuperação dos preços do minério de ferro, sua principal commodity, e ocorreu apesar do impacto negativo do menor volume de vendas sazonal.

A Vale, maior produtora global de minério de ferro, registrou recordes de produção para um primeiro trimestre de 86,2 milhões de toneladas de minério de ferro, com um recorde produção no Sistema Norte, de 36 milhões de toneladas.

Também teve recorde para produção trimestral de carvão em Moçambique de 2,4 milhões de toneladas.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado subiu para 13,523 bilhões de reais, alta de 82,5 por cento em relação ao mesmo período do ano passado.

Em comparação com o quarto trimestre, no entanto, o Ebitda caiu 13,4 por cento, com o impacto das menores vendas.

Além do efeito da sazonalidade, a Vale anunciou na semana passada que as vendas de minério deveriam ser mais fracas que os embarques registrados no primeiro trimestre por uma estratégia da companhia de aumentar estoques no exterior, apesar de ter reportado um recorde de produção para o período.

Os preços mais altos, por outro lado, tiveram um impacto positivo de 2,1 bilhões de reais. As margens de Ebitda foram de 50,6 por cento no primeiro trimestre, em linha com as margens no quarto trimestre.

A receita líquida da companhia somou 26,742 bilhões de reais no primeiro trimestre, alta de 30 por cento ante o mesmo período de 2016.

Na comparação com o quarto trimestre, houve uma queda de 12,8 por cento na receita, impactada negativamente pelo menor volume sazonal de vendas de Ferrosos e paradas para manutenções programadas e interrupções operacionais no segmento de Metais Básicos.

O diretor financeiro da Vale, Luciano Siani, afirmou em um vídeo na internet que a empresa iniciou o ano “em grande estilo”, embalada pela inauguração do projeto de minério de ferro S11D, em Canaã dos Carajás, no Pará, o maior de sua história, que entrou em operação comercial neste ano.

“O lucro líquido de 7,9 bilhões de reais foi o melhor resultado da empresa desde 2013, ficamos muito orgulhosos com essa recuperação da companhia após vários anos”, disse Siani.

O fluxo de caixa livre da empresa foi de 7,388 bilhões de reais no primeiro trimestre. O caixa gerado pelas operações foi de 12,770 bilhões de reais apesar do aumento dos estoques de minério para apoiar a estratégia de blendagem e do pagamento de remuneração variável no período.

O efeito líquido de caixa com a venda e aquisição de ativos e investimentos totalizou 2,413 bilhões de reais, devido, principalmente, à conclusão da venda de parte da mina de carvão de Moatize e do Corredor Logístico de Nacala para a japonesa Mitsui.

Siani destacou que, com os resultados do primeiro trimestre, a empresa conseguiu reduzir a dívida de forma substancial para 22,8 bilhões de dólares ante 25 bilhões de dólares no fim de 2016, com uma posição de caixa de 6,793 bilhões de dólares no fim de março.

“O que mostra que a companhia está em trajetória de desalavancagem e, nos próximos trimestres, com aumentos sucessivos da produção em todas as linhas de negócios, vamos atingir resultados ainda melhores”, afirmou.

Os investimentos totalizaram 1,113 bilhão de dólares no primeiro trimestre, sendo 587 milhões de dólares na execução de projetos e 526 milhões de dólares na manutenção das operações existentes.

“O projeto S11D continuou seu ramp-up bem sucedido, avançando de acordo com o esperado”, disse a empresa em seu balanço de resultados. O progresso físico na duplicação da ferrovia que escoa a produção da mina chegou a 66 por cento, com 367 km duplicados até março de 2017.

O lucro líquido da Vale em dólares foi de 2,49 bilhões, abaixo da estimativa média de analistas, de 3,325 bilhões de dólares, publicada no Thomson Reuters Eikon. O resultado, contudo, superou as expectativas da média dos analistas apurada pela reportagem da Reuters, de 2,43 bilhões de dólares.