Lucro da Eletropaulo sobe 6,1% no terceiro trimestre

A empresa atribuiu o resultado à evolução do consumo de energia em sua área de concessão e a reversões de provisões

São Paulo – A AES Eletropaulo teve lucro líquido de 348,2 milhões de reais no terceiro trimestre, alta de 6,1 por cento ante igual período de 2010. A empresa atribuiu o resultado à evolução do consumo de energia em sua área de concessão e a reversões de provisões.

O lucro da distribuidora ficou acima da média das estimativas de nove analistas consultados pela Reuters, que previam um lucro líquido de 236 milhões de reais para a companhia no período.

O lucro e o Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) foram influenciados positivamente pelas reversões de provisões trabalhistas e tributárias no valor de 73,2 milhões de reais e pelo recebimento da terceira parcela do acordo com a Prefeitura Municipal de São Paulo (PMSP) de 75,5 milhões de reais.

A companhia ainda contou com o reconhecimento de 54,3 milhões de reais da correção monetária e juros sobre a contribuição ao Finsocial.

Assim, o Ebitda da empresa de julho a setembro, subiu 6,6 por cento, para 641,8 milhões de reais.

Já a receita líquida da empresa subiu 3,9 por cento, para 2,56 bilhões de reais.


O mercado total da companhia registrou cresceu 4,3 por cento no trimestre em relação ao mesmo período de 2010, somando um volume de 11.404 gigawatts-hora(GWh).

Os segmentos comercial e residencial cresceram 5,3 por cento e 6,2 por cento, respectivamente. No acumulado do ano, o mercado total da empresa cresce 4,9 por cento, informou a companhia.

Apesar do desempenho do terceiro trimestre, o lucro da companhia no acumulado do ano até setembro teve queda de 14,6 por cento ante o mesmo intervalo de 2010, para 885,4 milhões de reais.

Debêntures – A empresa ainda anunciou nesta quarta-feira que o Conselho de Administração aprovou a emissão de até 600 milhões de reais em debêntures, com prazo de vencimento de 10 anos.

Os recursos a serem captados serão utilizados para recomposição de caixa diante das amortizações de dívida referentes a 2011 e 2012.

A empresa também informou que o Conselho aprovou o programa de American Depositary Receipts (ADRs) da companhia para o Nível I da Bolsa de Valores de Nova York.