JAL e ANA admitem mudança de baterias antes de incidentes

As companhias aéreas disseram que modificaram as baterias por diversos problemas antes das aeronaves terem sido obrigadas a fazer pousos de emergência

Tóquio – As companhias aéreas All Nippon Airways (ANA) e Japan Airlines (JAL) admitiram nesta quarta-feira que modificaram várias baterias de lítio no Boeing 787, antes de um incidente que obrigou uma das aeronaves da ANA a fazer um pouso de emergência e provocou a suspensão de todos os voos de 787.

A ANA destacou que efetuou 10 mudanças em seus 17 Boeing 787 por diversos problemas. A JAL admitiu “várias”, sem revelar o número, em poucos meses, quando a duração normal deste tipo de baterias é de dois anos.

A ANA foi a companhia do lançamento do 787 e recebeu 17 dos 66 aviões que encomendou, enquanto a JAL recebeu sete de um total de 45 compras confirmadas e 20 opções.

Em 16 de janeiro, uma bateria de ion-lítio de um Boeing 787 da ANA registrou aquecimento excessivo e soltou um forte odor por razões ainda desconhecidas. A bateria perdeu o eletrólito líquido que continha, ficou escura e se deformou por ação de uma temperatura anormalmente alta.

A falha obrigou o avião a fazer um pouso de emergência em Takamatsu (sul do Japão). Mais tarde, a ANA revelou que a bateria da aeronave havia sido trocada em outubro, depois que a original parou de funcionar.

Outro incidente similar havia acontecido em um avião da JAL uma semana antes, após um pouso em Boston.

As autoridades de aviação dos Estados Unidos, Japão e outros países proibiram todos os voos do Boeing 787 e a fabricante suspendeu novas entregas, até que a segurança de suas baterias estejam garantidas.