HPE quer vender sua divisão de software por até US$ 10 bi

Dois fundos privados estariam interessados na área, pela qual a companhia pagou US$ 11 bilhões no passado

São Paulo – Depois da divisão da HP em dois negócios distintos, Meg Whitman quer dar mais um passo rumo à reestruturação da companhia, com a venda de toda área de software.

A compra do grupo britânico de software Autonomy, em outubro de 2011, foi feita para dar à empresa mais competitividade no ramo corporativo.

No entanto hoje, pelo mesmo motivo, a HP pretende levantar entre US$ 8 bilhões e US$ 10 bilhões com a venda da divisão, pela qual ela pagou US$ 11 bilhões no passado.

Dois fundos privados, Thoma Bravo e Vista Capital, estariam interessados no negócio, segundo jornais estrangeiros, e teriam feito ofertas de US$ 7,5 bilhões.

Se fechada, a transação enxugaria ainda mais a Hewlett Packard Enterprise, unidade do grupo de serviços e equipamentos corporativos, e daria a ela foco em tecnologia de data centers, caminho por qual a HPE pretende seguir para crescer.

A Autonomy é parte da divisão de software da unidade, que no ano passado teria faturado US$ 3,6 bilhões ou 7% do total do grupo.

Especializada em análise de grandes quantidades de dados, a empresa foi comprada com um ágio de 79% sobre seu valor de mercado e acabou se mostrando um mau negócio.

Um ano depois de ser comprada registrou um faturamento de apenas 870 milhões de dólares, o que levou a demissão do vice-presidente executivo da HP, o fundador da britânica que havia permanecido no negócio.

Já no comando, Whitman declarou que grande parte das receitas da Autonomy eram fraudulentas na época da aquisição, o que levou a HP a uma baixa contábil de US$ 8,8 bilhões.

A alegação foi veemente negada pelos antigos donos da empresa e um impasse jurídico entre as duas partes segue sem desfecho. 

Procurada, a HPE disse não comentar boatos.