Greve entra no 3º dia e Eletrobras suspende negociações

Trabalhadores da Eletrobras tinham anunciado uma greve de advertência de três dias, reivindicando reajuste salarial

São Paulo – Os trabalhadores da Eletrobras entram nesta quarta-feira no terceiro dia de greve pedindo um reajuste salarial que reponha a inflação, enquanto a estatal afirma que não vai negociar se não houver um retorno dos funcionários ao trabalho.

Sindicatos preparam um protesto em frente à sede da Eletrobras no Rio de Janeiro a partir das 11 horas desta quarta-feira, onde deverão ser realizadas também assembleias para decidir se a paralisação continuará por tempo indeterminado ou ao menos até sexta-feira, quando seria feita uma reavaliação.

O embate entre a estatal e os funcionários acontece em um momento em que a Eletrobras acumula prejuízos de mais de 30 bilhões de reais desde 2012 e prepara um plano de vendas de ativos para gerar caixa e tocar investimentos.

“A Eletrobras vem conduzindo a negociação… de forma a buscar uma solução que atenda aos anseios dos seus empregados dentro das atuais condições econômico-financeiras da empresa. No entanto, ainda não foi encontrada uma solução financeiramente viável para o acordo”, afirmou a estatal em nota à Reuters.

A Eletrobras também disse que “há a garantia de um contingente mínimo de trabalhadores para a manutenção dos serviços essenciais ao fornecimento de energia elétrica”.

Na terça-feira, quatro dirigentes sindicais chegaram a ser detidos por, segundo a Eletrobras, impedir a entrada de trabalhadores na empresa e desacatar militares.

Em nota divulgada em seu perfil no Facebook, a Federação Nacional dos Urbanitários (FNU) afirmou que as prisões foram uma “demonstração de truculência” que mostra “despreparo da direção da holding para negociar de forma democrática com a representação dos trabalhadores”. A Eletrobras disse que “lamenta profundamente a prisão dos dirigentes sindicais”.