Grandes bancos avançam no crédito consignado

Margem de lucro dos bancos com o consignado é menor que a de outras operações de crédito às pessoas físicas

São Paulo – Em 2007, os bancos de pequeno e médio portes tinham três quartos do mercado de crédito consignado. Hoje, essa participação é de 50%. No mesmo intervalo, as grandes instituições de varejo elevaram sua fatia de 25% para 50%. Segundo especialistas, a tendência é de que esse movimento se aprofunde nos próximos meses e anos, o que traz mais um desafio na já complicada vida dos menores.

Essa mudança de perfil do negócio é explicada por dois movimentos. De um lado, os grandes bancos acordaram para o segmento. De outro, os pequenos e médios vêm enfrentando uma série de dificuldades, que os levaram a botar o pé no freio na concessão de empréstimos em geral, o que atingiu também o consignado.

“O que aconteceu nesse segmento é o óbvio: só quem tem escala consegue fazer essa operação ser rentável”, afirmou um banqueiro que desistiu do consignado há cerca de dois anos. Um alto executivo de uma instituição de varejo confirma: “O modelo de negócios que os bancos pequenos imaginaram lá atrás para o consignado não funciona mais”.

O analista de instituições financeiras da Austin Rating, Luís Miguel Santacreu, explica a que se refere o executivo. Em primeiro lugar, a margem de lucro dos bancos com o consignado é menor que a de outras operações de crédito às pessoas físicas. Ou seja, para ganhar dinheiro com o negócio, é preciso volume. Em outras palavras, ter escala.

O segundo ponto é que essa margem já reduzida ficou ainda menor com os obstáculos à captação de recursos que os bancos pequenos e médios passaram a encontrar depois do estouro da crise global. Na prática, isso significa dinheiro mais caro.

“Entre 2002 e 2008, vivemos um período de extrema bonança. Havia funding para tudo e para todos”, lembra o presidente da Associação Brasileira de Bancos (ABBC), Renato Oliva. A entidade representa justamente as instituições financeiras de menor porte. “A partir da crise, o foco dos bancos pequenos e médios passou a ser o funding. Antes, era o produto de crédito”, afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.