Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Galeão cobra R$ 4,3 milhões de dívida do Rio-2016

O Rio-2016, por sua vez, "contesta com veemência" a dívida e alega que, na realidade, é a concessionária que está com um débito com a entidade

Rio – A concessionária que administra o Aeroporto Internacional do Rio, o Galeão, está cobrando uma dívida que seria de R$ 4,3 milhões do Comitê Rio-2016.

Os valores se referem a serviços utilizados pelo comitê e a danos causados na estrutura externa do aeroporto durante a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do ano passado.

O Rio-2016, por sua vez, “contesta com veemência” a dívida e alega que, na realidade, é a concessionária que está com um débito superior a R$ 300 mil com a entidade.

Segundo a Rio Galeão, concessionária que administra o aeroporto, o Rio-2016 ainda não pagou pelo uso de estrutura de TI, atendimentos no ambulatório, credenciamento, treinamentos e nem mesmo a conta de luz do aeroporto durante o período dos Jogos.

Serviços operados no terminal de cargas, como armazenamento de materiais, também não foram quitados.

A concessionária também alega danos à estrutura física do Galeão, como o estacionamento.

“O comitê deixou pra trás o asfalto quebrado, postes de luz derrubados, além de danos na pintura e nos totens automáticos de saída”, informou, em nota, a Rio Galeão.

A administradora do aeroporto também acusou o comitê de “sumir” ao ser cobrada pelos valores.

“Engenheiros do Rio-2016, em conjunto com profissionais da própria concessionária, fizeram estudos para medir o estrago e propor uma reforma, mas, depois de estimado o valor, o comitê sumiu sem fazer os reparos”, prosseguiu o comunicado.

À reportagem, o Rio-2016 refutou com veemência a dívida. Mais do que isso, afirmou que é a Rio Galeão que está em débito com a entidade.

Segundo o comitê, a concessionária detinha um patrocínio “nível 3” nos Jogos, cujo valor basicamente é pago com serviços. Mas, encerrados os Jogos, o Rio Galeão ainda estaria devendo R$ 1 milhão.

O Rio-2016 informou que reconhece alguns débitos, mas contesta os valores. O custo pelo uso das salas do aeroporto, na avaliação do comitê, seria de R$ 360 mil, enquanto os danos à estrutura do estacionamento não passariam de R$ 320 mil.

A entidade quer que os valores (R$ 680 mil na soma) sejam abatidos do que estaria faltando do acordo de patrocínio.