Dólar R$ 3,28 0,39%
Euro R$ 3,67 -0,04%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,95% 63.257 pts
Pontos 63.257
Variação 0,95%
Maior Alta 5,04% SMLE3
Maior Baixa -3,99% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 17:20 FONTE

Fusões de emergentes superam Europa pela 1ª vez

A atividade de fusão e aquisição dos mercados emergentes responde por 30% do volume global até agora em 2010

Nova York – Pela primeira vez na história, o volume em dólares da atividade de fusão e aquisição tendo empresas de mercados emergentes como alvo superou o de empresas europeias.

Segundo dados da consultoria Dealogic, os negócios com empresas de mercados emergentes do começo do ano até agora subiram 66% em relação ao mesmo período de 2009, chegando a US$ 569,5 bilhões. O volume das transações envolvendo empresas europeias aumentou 19%, para US$ 541 bilhões no ano.

Além disso, o número de acordos anunciados em 2010 envolvendo empresas de países emergentes superou o de empresas da Europa pelo quarto ano seguido, com 9.985 acordos divulgados, contra 9.660.

Este é o sinal mais recente do crescente domínio dos mercados emergentes em atividades de fusões e aquisições, uma tendência que não passou despercebida pelos maiores dealmakers dos EUA, como por exemplo a Evercore Partners.

O banco de investimentos, com sede em Nova York, anunciou hoje que está adquirindo uma participação de 50% na brasileira G5 Advisors por US$ 20 milhões, para aproveitar a crescente atividade de fusão e aquisição no Brasil.

A atividade de fusão e aquisição dos mercados emergentes responde por 30% do volume global até agora em 2010, a maior participação porcentual da história. Ao mesmo tempo, a participação da Europa caiu para 29%, a menor participação porcentual desde 1998.

A maior parte das empresas de mercados emergentes alvo de fusões e aquisições está na China, onde o volume subiu para US$ 132,7 bilhões em 2010, respondendo por 23% do volume total dos mercados emergentes.

A Dealogic acrescentou que o Credit Suisse é o consultor líder em acordos envolvendo empresas de mercados emergentes, com US$ 102,5 bilhões até agora em 2010, seguido pelo Morgan Stanley, com US$ 88,3 bilhões, e pelo Bank of America Merrill Lynch, com US$ 72,7 bilhões. As informações são da Dow Jones.

Leia mais sobre Fusões

Siga as últimas notícias de Negócios no Twitter