Dólar R$ 3,28 0,39%
Euro R$ 3,69 0,45%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,50% 62.940 pts
Pontos 62.940
Variação -0,50%
Maior Alta 8,51% JBSS3
Maior Baixa -4,53% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 12:40 FONTE

FUP rejeita nova proposta da Petrobras para acordo coletivo

A partir de 16 de dezembro, os sindicatos vão realizar assembleias para que os funcionários votem os indicativos da FUP de rejeição e de paralisação

Rio de Janeiro – A Federação Única dos Petroleiros (FUP), que representa funcionários da Petrobras, rejeitou nesta terça-feira proposta da petroleira para o Termo Coletivo de Trabalho 2015/2017 e irá convocar os trabalhadores para a realização de paralisações a partir de 23 de dezembro, disse à Reuters o diretor de comunicação da FUP, Francisco José de Oliveira.

Segundo Oliveira, a partir de 16 de dezembro, os sindicatos vão realizar assembleias para que os funcionários votem os indicativos da FUP de rejeição e de paralisação.

“O rumo dos trabalhadores será a luta”, disse Oliveira, evitando dar detalhes sobre como os trabalhadores deverão realizar as paralisações.

Em sua última proposta, a Petrobras ofereceu reajuste em 6 por cento no salário básico e na tabela RMNR, retroativo a setembro de 2016, acrescido de 2,8 por cento em fevereiro, sem retroatividade, explicou o sindicalista.

No entanto, segundo Oliveira, o principal questionamento dos funcionários se refere a mudanças propostas às horas extras e suas respectivas remunerações.

Os funcionários querem que a empresa restrinja as negociações deste ano às cláusulas econômicas do acordo.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. joao batista de assis pereira

    A BANDALHEIRA NA PETROBRAS AINDA NÃO ACABOU:
    A Petrobras oferece reajuste de 6% a seus trabalhadores mas, em plena crise financeira aumentou em 13% a remuneração anual dos oito diretores da companhia em relação ao ano passado, percentual bem acima da inflação do período.

  2. joao batista de assis pereira

    A Estatal foi notificada recentemente pelo TCU no sentido de paralisar com o processo de desinvestimento em curso e não mais desfazer de ativos. Portanto, a Estatal deveria interromper o seu Plano bilionário de desinvestimento, ou entrega de ativos aos seus pares, como queiram entender . Efetuar “Block Trade” de todas as ações que detém na São Martinho SMTO3, nada mais é que continuar com o processo de doação de ativos, quando se compromete a desfazer da totalidade desse ativo no processo denominado de “Block Trade”. Nesse sentido, a Governança e Compliance da Estatal Petroleira, além de prejudicar os acionistas minoritários, descumpre as determinações do TCU, relembrando as atitudes ilicitudes do Petrolão, além de comprometer as recentes declarações do Presidente Pedro Pullem Parente quando foi a mídia e disparou: A BANDALHEIRA NA PETROBRAS ACABOU.