Divergência de R$ 88 bi causou demissão de Graça Foster

Divergências sobre a divulgação de baixa contábil de estimados R$ 88 bilhões provocaram a saída de Graça Foster do comando da Petrobras, dizem fontes

O escândalo de subornos e lavagem de dinheiro envolvendo a gigantesca petrolífera controlada pelo Estado, a Petrobras, estava crescendo no fim de janeiro, quando a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, recebeu telefonemas de dois de seus principais nomeados.

Ambos estavam no meio de uma reunião maratônica do conselho da empresa e discordavam exaltadamente.

O primeiro era seu ex-ministro da Fazenda e atual presidente do conselho da Petrobras, alertando-a de que o conselho estava discutindo a divulgação de um número potencialmente embaraçoso: uma baixa contábil de US$ 30 bilhões que os auditores da empresa diziam que estava ligada, em parte, aos prejuízos relacionados ao escândalo.

O presidente do conselho saiu no meio da reunião para telefonar para sua benfeitora política para discutir a divulgação do número — acreditando que se tratava de um número ruim fruto de uma metodologia falha. Dilma concordou.

O segundo telefonema, mais tarde, na mesma noite, foi de Maria das Graças Foster, a então presidente da Petrobras, nomeada por Dilma três anos antes.

Ela opinou que, segundo a legislação brasileira, o número de US$ 30 bilhões, falho ou não, precisava ser divulgado, porque se o conselho tinha conhecimento do número, o mercado tinha direito de sabê-lo também.

Graça Foster estava ciente de que Dilma preferia que o número não fosse divulgado e esperava que a presidente da República, sua amiga próxima, entendesse sua posição, segundo três fontes a par do pensamento de Graça, que pediram anonimato porque não estão autorizados a falar.

Queda das ações

Após um confronto dramático de dez horas na sala do conselho, o número acabaria, de fato, sendo incluído em uma nota a respeito da divulgação atrasada dos lucros do terceiro trimestre da Petrobras, mas sairia caro para Graça. No dia 6 de fevereiro Dilma a substituiu por Aldemir Bendine, presidente do Banco do Brasil SA, também controlado pelo Estado — um executivo do governo popular no Partido dos Trabalhadores, a legenda de esquerda de Dilma.

A nomeação fez com que as ações da empresa, formalmente conhecida como Petróleo Brasileiro SA, caíssem 6,9 por cento naquele dia. Para os críticos, as medidas de Dilma mostram que ela está presa entre suas inclinações populistas para continuar administrando a Petrobras como um anexo do Estado no setor de energia e a necessidade de endireitar a empresa, extremamente danificada, medida que seria um componente-chave para reanimar a economia do Brasil, que está em dificuldades. Há quem duvide que a Petrobras possa atingir seu potencial máximo sem que esse conflito se resolva.

“Veja toda a interferência do governo — o mercado esperava que uma gestão mais independente restaurasse a credibilidade –”, disse Marcos Duarte, gerente de carteira da Polo Capital Gestão de Recursos Ltda., com sede no Rio de Janeiro. “A nomeação dele não ajudou”.

Dilma, que preferiu não ser entrevistada para esta reportagem, havia defendido a Petrobras. Ela disse que o recente rebaixamento da dívida da empresa para o status de junk pela Moody’s Investors Service reflete a incompreensão dos que criticam a companhia. “É uma falta de conhecimento do que está acontecendo na Petrobras”, disse a presidente a repórteres no dia 25 de fevereiro. “Não tenho dúvida de que a Petrobras é uma empresa com grande capacidade para se recuperar disso, sem grandes consequências”.

Graça Foster não respondeu aos pedidos de comentário. O relato a respeito de como ela e Dilma se separaram foi reunido após entrevistas com mais de 20 pessoas — executivos, membros do governo, consultores e acadêmicos –, sendo que algumas delas pediram anonimato porque não tinham autorização para falar.

A Petrobras preferiu não comentar esta reportagem.

Primeiras ondas de choque

As primeiras acusações de corrupção na Petrobras surgiram em março do ano passado, quando a polícia prendeu um ex-diretor de refino da empresa, acusado de conspirar com um conhecido doleiro latino-americano para esconder ou distribuir subornos como parte do plano para inflar contratos de construção. Alguns dos doleiros gerenciavam uma operação por meio de uma rede de postos de gasolina, o que batizou a investigação: Lava Jato.

Foster, contudo, parecia estar resistindo à tempestade até outubro, quando gravações de vídeo publicadas na internet por um juiz federal de um tribunal do estado do Paraná mostrou o mesmo executivo confessando a investigadores que a Petrobras estava comprometida há muito tempo — que durante pelo menos nove anos ele e outras pessoas desviaram milhões em propinas das empresas para as quais a Petrobras entregou contratos de construção inflados.

Quando as acusações de irregularidades aumentaram, a população se indignou ainda mais e os investidores continuaram liquidando as ações da Petrobras; a determinada Graça Foster descobriu assim que o clima político estava virando.

Na sequência, Graça ficou sabendo que enfrentava um senador brasileiro bem relacionado que também administrava uma unidade de transporte da Petrobras. Ele acabaria tendo o nome mencionado no esquema de subornos no depoimento gravado em vídeo divulgado pelo tribunal. Mas quando Graça fez menção de demiti-lo, ele disse a ela que o melhor seria “resolver isso em Brasília” — quer dizer, que o melhor seria que ela consultasse Dilma por causa das ramificações políticas antes de empurrá-lo para fora, segundo uma fonte com conhecimento da conversa, que pediu para não ser identificada porque não está autorizada a falar.

O senador tirou três meses de licença não remunerada antes de finalmente deixar o cargo. Ele negou qualquer irregularidade.

Durante todo esse calvário, Graça Foster apresentou sua renúncia diversas vezes. Dilma não aceitou, segundo as fontes familiarizadas com sua forma de pensar. Ela achava que Graça estava se esforçando para tirar da empresa os envolvidos no escândalo — ela já havia demitido três executivos — e que não deveria ser colocada para fora simplesmente por causa da opinião pública. Graça, por sua vez, disse a repórteres em uma coletiva de imprensa no dia 17 de dezembro, que se manteria no cargo enquanto tivesse a confiança da presidente.

Mas o escândalo continuou aumentando. Uma lista cada vez maior de ex-executivos começou a cooperar com os investigadores com a esperança de terem suas sentenças reduzidas. Os emissários de dinheiro usavam apelidos extravagantes como Tigrão, Melancia e Eucalipto, segundo depoimentos dados ao tribunal do Paraná. Um ex-gerente da Petrobras admitiu, como parte de um acordo de delação premiada, ter recebido US$ 100 milhões em subornos.

Velhas amigas

Enquanto o drama se desenrolava, a única constante era o apoio de Dilma a Graça Foster, a mulher que a presidente da República conheceu no início dos anos 2000 quando era secretária de Energia do Rio Grande do Sul e Graça, a representante da Petrobras para o gasoduto Brasil-Bolívia.

Essa confiança começou a ruir em dezembro, quando Graça Foster decidiu proibir 23 construtoras apontadas na investigação de fazerem negócios com a Petrobras, segundo uma fonte com conhecimento da situação. A posição pública de Dilma era que os indivíduos corruptos — e não as empresas que empregavam milhões de brasileiros e trabalhavam em projetos estratégicos de infraestrutura — deveriam ser responsabilizados.

Outra fonte de tensão foi a obtenção dos resultados devidamente auditados da Petrobras. A medida era necessária para que a Petrobras reconquistasse o acesso aos mercados internacionais de dívida, para poder assim financiar o desenvolvimento de descobertas de petróleo e gás offshore, que datam da última década e que foram as maiores da história do país, segundo fontes familiarizadas com as discussões.

E então veio a contenciosa reunião do conselho de 27 de janeiro. Durante essa reunião, Graça se viu em desacordo com Guido Mantega, o presidente do conselho de administração da Petrobras, um italiano de nascimento com inclinação esquerdista e a reputação pública de não negar nada a Dilma, embora ela o tivesse demitido do cargo de ministro da Fazenda no início daquele mês. Sobre esse assunto: as frequentes broncas de Dilma em Mantega se tornaram um dos assuntos favoritos dos comediantes da TV brasileira. A personagem dela normalmente grita, humilha e atormenta Mantega pelo telefone e depois rapidamente muda a postura e adota um tratamento gentil. Mantega preferiu não comentar esta reportagem.

Mantega controlava a maioria do Conselho de Administração da Petrobras, formado por dez pessoas, e se suas forças tivessem prevalecido em relação ao sufocamento da divulgação do número de US$ 30 bilhões, Graça e seus executivos teriam renunciado ali mesmo, segundo fontes que participaram da reunião. Mantega e seus aliados disseram que os auditores da Petrobras não podiam, realmente, separar os custos da corrupção daquela baixa contábil potencialmente massiva, e também não achavam que a divulgação fosse necessária nesse caso. Mas ele cedeu quando três membros independentes do conselho ameaçaram ir às autoridades regulatórias do Brasil e forçar a divulgação de qualquer maneira, disseram essas fontes.

Convocada pela presidente

A vitória teve vida curta. Uma semana depois, no dia 3 de fevereiro, Graça foi convocada por Dilma ao Palácio do Planalto, a 750 quilômetros de distância, em Brasília. Após duas horas de conversa franca, as duas chegaram a um acordo. Graça Foster e sua equipe executiva seriam substituídas até o fim do mês, enquanto a busca por sucessores prosseguiria, segundo fontes com conhecimento da reunião, porém sem autorização para falar a respeito.

“Graça Foster foi demitida por suas virtudes, não por suas falhas”, disse Adriano Pires, diretor da consultoria CBIE, com sede no Rio de Janeiro.

Bendine, o então presidente do Banco do Brasil, se apresentou como voluntário para o emprego. Ele disse a Dilma que tinha o conhecimento financeiro para trabalhar com os órgãos reguladores e ganhar a confiança dos mercados financeiros, segundo uma fonte a par da situação. Dilma se convenceu.