Segundo relatório, indústria de produtos para casa e jardim tem faturamento de mais de R$ 82 bilhões

De acordo com dados da Euromonitor, provedora global de inteligência estratégica de mercado, a indústria de casa e jardim movimentou R$ 82,5 bilhões em 2015. O crescimento médio anual é de 5,4% desde 2010, quando o valor era de R$ 63,5 bilhões. O setor de decoração também cresceu. Segundo uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Designers de Interiores, o avanço da classe C é o principal motivo pelo aumento da procura por arquitetos e decoradores, uma vez que essa é a classe que mais investe em construção e reforma.

Itens de decoração como eletrodomésticos, papéis de parede, vasos, castiçais, porta-retratos e até mesmo mobiliário atraem novos clientes e trazem de volta clientes antigos. O papel de parede, por exemplo, já foi visto como algo comum na decoração. Mas com as novas tecnologias que surgiram no mercado, os designers voltaram a investir no papel de parede como principal item decorativo usado para transformar ambientes. Atualmente existem vários materiais novos que conferem diferentes aspectos e utilidades ao papel de parede.

A versatilidade dos papéis de parede também é observada nas possibilidades de adquiri-los. De acordo com a 2ª Pesquisa do Varejo Online, realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), em parceria com o E-commerce Brasil, o setor Casa e Decoração aparece como o segundo segmento líder no comércio eletrônico. Comprar pela internet é uma facilidade que atrai cada vez mais os consumidores de itens de decoração. Se antes comprar um papel de parede exigia tempo para se deslocar até uma loja física, com as lojas online adquirir esse item de decoração se tornou algo rápido e prático.

O Mercado Livre anunciou um ranking onde pelo quarto ano consecutivo “Casa, Móveis e Decoração” foi a categoria que mais cresceu em vendas. O segmento, que não figurava entre as 10 categorias com mais vendas até 2011 (estava em 14º lugar), passou para a 9ª posição em 2012, para a 7ª em 2013, 5º lugar em 2014 e assumiu a terceira colocação em 2015.

Parte desse resultado se dá pela melhoria na qualidade dos anúncios desses produtos. A internet tem oferecido cada vez mais excelentes fotos e informações sobre os itens de decoração, como papeis de parede, fornecendo medidas, mostrando cores e texturas em imagens bem nítidas do produto, e isso tem aumentado a confiança do consumidor no comércio eletrônico dessas categorias.

O papel de parede também se destaca quando é preciso economizar. De acordo com especialistas em decoração, as pessoas optam por utilizar o papel em poucas paredes da casa, diminuindo os custos. Para se ter uma ideia, uma lata de tinta com 18 litros custa mais de R$ 200 e rende de 225 a 275 metros quadrados por demão. O rolo com 10 metros de papel de parede varia entre R$ 120 a R$ 230 e cobre até cinco metros quadrados de parede.

De acordo com a Associação Brasileira de Design de Interiores (ABD), entre 2004 e 2014 o setor de decoração registrou um crescimento de quase 500%. Mesmo com a desaceleração de vários setores da economia, o resultado mostra que o consumidor não tem deixado de investir na aparência da casa.

Através do comércio eletrônico muitas pessoas têm acesso às novidades do mercado e rapidamente se inteiram as tendências e lançamentos. A loja Wall Papel Land, por exemplo, comercializa papeis de parede diferenciados com a proposta de inovar o conceito de decoração com papel de parede. O tradicional papel de parede para quarto e sala são os mais conhecidos da loja, mas o papel de parede 3D é a novidade na decoração de sala e outros ambientes. Como o segundo segmento líder no comércio eletrônico, os itens de decoração como papéis de parede, seguem sendo os produtos que mais atraem consumidores online.