Dólar R$ 3,28 0,39%
Euro R$ 3,67 -0,04%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,95% 63.257 pts
Pontos 63.257
Variação 0,95%
Maior Alta 5,04% SMLE3
Maior Baixa -3,99% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 17:20 FONTE

Correios devem anunciar demissão voluntária na próxima semana

Presidente da ECT disse que a empresa deve anunciar um programa de demissão voluntária na próxima semana para amenizar os prejuízos

O presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), Guilherme Campos, disse hoje (16) que a empresa fará um plano de demissão voluntária como medida para amenizar os prejuízos registrados recentemente. Segundo ele, o plano deverá ser anunciado na semana que vem.

“O plano está na fase final de autorização, já tendo sido feito todo trabalho e todas as autorizações necessárias no ministério ao qual somos afetos, que é o das Comunicações. Temos o ok do ministério e [o caso] foi encaminhado à Cest [Coordenação de Controle de Empresas Estatais], no Ministério do Planejamento. Pelo andar da carruagem, até semana que vem estaremos prontos para anunciar”, disse o ministro após participar de uma cerimônia da campanha Papai Noel dos Correios, no Palácio do Planalto.

Segundo Campos, o plano tem como foco os servidores que já têm idade para se aposentar ou já são aposentados pelo INSS. Os valores serão pagos ao longo de oito anos.

A expectativa é de que, entre os mais de 13 mil funcionários elegíveis pelas regras do plano, haja uma adesão entre 6 mil e 8 mil, nos 5 meses de vigência da adesão.

Campos informou que os Correios tiveram prejuízo de R$ 2,1 bilhões em 2015 e que, em 2016, a expectativa é de que esse prejuízo fique novamente na casa dos R$ 2 bilhões.

“Mas com todas as medidas que estão sendo executadas, esperamos já em 2017 reverter esse cenário e apresentar resultado muito mais positivo”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. ICARO POLIDORO

    Se a empresa fosse competente e competitiva na prestação dos serviços, quem sabe não tivesse amargando prejuízos. Atualmente a empresa passa uma imagem de ter só concursados encostados na estabilidade de emprego em salários rechonchudos.