Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,67 0,13%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

Consumidor está voltando a ter segurança, diz Falco, da CVC

Vendas da operadora de turismo cresceram 4,4% no terceiro trimestre porque o consumidor voltou a comprar passagens com antecedência, afirmou o executivo

São Paulo – Mesmo com o cenário econômico turbulento, a CVC conseguiu vender mais pacotes de viagem no terceiro trimestre. As reservas confirmadas cresceram 4,4%, para 1,42 bilhão de reais, frente ao mesmo intervalo do ano passado.

Para o presidente da companhia, Luiz Eduardo Falco, o desempenho se deve, principalmente, à retomada da confiança dos clientes na economia.

“O consumidor estava mais inseguro e comprando mais próximo da viagem. Agora, ele está voltando ao comportamento normal, comprando com a antecipação histórica de três meses”, disse a EXAME.com.

De acordo com ele, a volta do planejamento foi mais consistente no segmento internacional, que teve aumento de 14,6% nas vendas no período.

“Apesar da melhora, ainda existe o medo da demissão. Em agosto, tivemos o maior índice de desemprego da história“, analisou.

Mês a mês

As reservas confirmadas da empresa cresceram 8,2% em julho e setembro, mas recuaram 2,4% em agosto, na comparação anual.

Na avaliação de Falco, esse resultado é reflexo das Olimpíadas e também do processo de impeachment, eventos que trouxeram incertezas e “machucaram o varejo”.

“A gente não consegue competir com entretenimento gratuito. Chamar os amigos para tomar uma cervejinha e ver os jogos não briga com férias na praia, porque além de ser uma delícia, não custa nada”, brincou.

Quando considerados os números da Rextur Advance e da Submarino Viagens, as vendas geradas do grupo somaram 2,27 bilhões de reais no terceiro trimestre.

A empresa não informou as receitas do período, nem se teve lucro ou prejuízo.

Novos rumos

A operadora de turismo abriu em setembro suas duas primeiras lojas especializadas em intercâmbio. Neste mês, outras duas serão inauguradas. O plano é ter 10 unidades no segmento até o fim do ano.

No próximo dia 20, a CVC define em assembleia de acionistas a nova composição de seu conselho de administração.

O fundo Carlyle e o fundador da companhia, Guilherme Paulus, venderam dois terços de suas fatias no capital e perderão cadeiras.

A participação do investidor foi reduzida de 44,8% para 15,8% e a do empresário, de 24,3% para 8,4%. Paulos, entretanto, deve continuar na presidência do conselho.

“Ele é o rei do turismo no Brasil e ainda tem um tráfego invejável no governo. Não conseguimos ver outra pessoa para ocupar esse lugar”, disse Falco, que também segue no comando executivo.

A CVC encerrou setembro com 1.064 pontos de vendas, 23 deles abertos no terceiro trimestre.