Compra de rede de mercados pela Amazon agita setor de US$ 800 bi

Em uma única jogada, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, entrou no negócio de supermercados com a aquisição da Whole Foods por US$ 13,7 bilhões

Nova York – Desde sua fundação, há 23 anos, a Amazon.com mudou radicalmente o negócio de venda de livros, música e quase tudo o mais que consumimos — exceto alimentos.

Até agora. Em uma única jogada, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, entrou no negócio de supermercados com a aquisição da Whole Foods por US$ 13,7 bilhões.

O negócio surpresa agita o setor de supermercados, de US$ 800 bilhões — e o de varejo, de forma mais ampla –, ao casar a vasta escala e a habilidade digital da Amazon com as 460 lojas e a rede de distribuição de alimentos frescos da Whole Foods.

A aquisição ameaça empresas de supermercados tradicionais como a Kroger, que já estavam sofrendo com a deflação dos alimentos nos EUA e com a invasão de novos concorrentes, como as redes alemãs de descontos Aldi e Lidl. As ações das rivais sentiram o golpe.

O acordo provavelmente estimulará outras empresas a se defenderem com suas próprias ondas de compras, consolidando o fragmentado setor de alimentação dos americanos.

“Isto é um divisor de águas”, disse Zachary Fadem, analista do Wells Fargo. “É um tiro de advertência para o setor varejista de alimentos de que a concorrência provavelmente aumentará frente a um cenário já desafiador.”

O acordo ocorre depois que a Amazon, que tem sede em Seattle, EUA, passou quase uma década tentando encontrar um caminho para o negócio de entrega de alimentos frescos por meio de vários empreendimentos, sem muito sucesso.

Ninguém menos que John Mackey, CEO da Whole Foods, certa vez previu que a busca da Amazon por entregas de compras de supermercado seria o “Waterloo da Amazon”.

Agora, Bezos será o chefe de Mackey e a união desses dois pioneiros pode mudar radicalmente o acomodado negócio de supermercados.

As várias incursões da Amazon no ramo de venda de itens de supermercado — Amazon Fresh, Amazon Pantry, Prime Now — receberão um impulso da rede de lojas da Whole Foods e de sua base de clientes fiel e endinheirada.

“Whole Paycheck”

Apenas em torno de 1 por cento a 2 por cento do setor foi transferido para a internet, mas a expectativa é que esse número suba para 6 por cento nos próximos cinco anos porque os consumidores da geração Y têm uma propensão duas vezes maior de comprar itens de supermercado pela web, segundo o analista Marc Astrachan, da Stifel Nicolaus & Co.

O controle da Amazon provavelmente também resultará em preços mais baixos na Whole Foods, cujos produtos caros, como ovos de emu vendidos a US$ 30, ganharam o apelido de “Whole Paycheck” (“Salário inteiro”). Isso poderia forçar outros supermercados a seguirem o exemplo para não perderem clientes, disse Astrachan.

“A Amazon está no negócio de alimentos há mais de 10 anos e o fato de agora chegar à conclusão de que precisa de lojas físicas de tijolos e cimento é importante”, disse o analista Dan Binder, da Jefferies, em nota. “A Amazon ganha experiência em itens de supermercados e orgânicos em particular.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s