CEO diz que Volvo prosseguirá com aportes no País

O CEO e presidente do Grupo Volvo também anunciou que a empresa entrará no segmento de caminhões médios e leves com produção no Brasil

São Paulo – O CEO e presidente do Grupo Volvo, Olof Persson, disse nesta quinta-feira, em São Paulo, que o mercado brasileiro de veículos pesados ganha a cada ano mais importância para a empresa e que a montadora continuará a investir no Brasil nos próximos anos. “Já investimos muito no Brasil e vamos continuar investindo”, afirmou. As declarações de Persson foram dadas durante anúncio de aporte de US$ 500 milhões nos próximos três anos no mercado nacional. Com o investimento, o Grupo Volvo espera atingir a meta de chegar à liderança do setor de veículos comerciais acima de 16 toneladas, que inclui a categoria semipesados e superiores.

Atualmente a Volvo é a terceira neste segmento, atrás da MAN (Volkswagen) e Mercedes-Benz. Para dar início à busca por esse objetivo, o grupo prepara o lançamento da nova linha FH, de caminhões pesados. “O Brasil vem se tornando cada vez mais importante para a Volvo”, afirmou. Ele não anunciou um prazo para o cumprimento da meta, mas, se considerado apenas o mercado de caminhões pesados, a Volvo já é líder.

O CEO e presidente do Grupo Volvo também anunciou que a empresa entrará no segmento de caminhões médios e leves com produção no Brasil. Para isso, lançará no País uma segunda marca dentre aquelas inclusas no portfólio da empresa. Persson, no entanto, disse que ainda está indefinida a decisão sobre qual das marcas será responsável pelo novo empreendimento da companhia no Brasil.


“Estamos analisando as marcas para ver quais mais se adaptam à estratégia da Volvo”, declarou. Atualmente, a Renault Trucks, uma das marcas da Volvo que têm produtos neste setor, possui uma linha de montagem no Uruguai, mas o CEO e presidente do grupo não deu pistas sobre a possibilidade de que esta seja a marca escolhida para o mercado brasileiro de caminhões leves e médios.

O investimento de US$ 500 milhões será usado para trazer a segunda marca do grupo ao País, ampliar a capacidade de produção da Volvo no Brasil, promover melhorias no sistema de distribuição da empresa e preparar a rede de concessionárias para vender os novos produtos. “Nossa intenção é ter uma gama de produtos que permita um posicionamento pleno da Volvo no Brasil”, garantiu.

Persson prosseguiu, afirmando não se assustar com a atual crise no mercado de veículos pesados no País, onde as vendas apresentaram quedas de janeiro a setembro, de 22%, e de 39,9% na produção, de acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). “Vivemos em um mercado que é cíclico e nós temos de aprender a conviver com esse comportamento. Mas nossos investimentos são com vista a longo prazo”, esclareceu.

O CEO da Volvo explicou ser impossível prever um quadro do mercado brasileiro de veículos pesados em 2017, ano que se encerra o período de vigência do novo regime automotivo, que prevê regras também para a produção de caminhões. Persson acentuou, no entanto, que os mercados no Brasil e no restante da América Latina têm grande potencial de crescimento. “Se pensarmos em longo prazo, Brasil e América Latina têm grande potencial de crescimento. A Volvo já passou por muita coisa aqui, mas sempre fazendo investimentos.” O último pacote de aportes da empresa havia sido anunciado para o triênio de 2009 a 2011 e somou US$ 250 milhões.

Sobre a competição com novas montadoras no mercado de veículos pesados brasileiro, Persson acrescentou que a Volvo está acostumada com grande rivalidade. “Em todo o mundo, vivemos em um ambiente extremamente competitivo, estamos acostumados”, acredita. “Estou muito excitado com os novos planos, que vão levar a Volvo a um novo patamar. Esse investimento evidencia que a Volvo está tão ou mais comprometida com o Brasil como jamais esteve.”