Cade condena Anhanguera por informações enganosas

Segundo relatório lido pelo conselheiro Eduardo Pontual, Anhanguera prestou informações falsas sobre participação de Ângela Regina Rodrigues no comando do grup

Brasília – O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou novamente a Anhanguera Educacional pela prestação de informações enganosas à autoridade concorrencial, com multa de R$ 1 milhão.

De acordo com o relatório lido pelo conselheiro Eduardo Pontual, durante a tramitação do processo de aquisição da Novatec e do Instituto Grande ABC, a Anhanguera prestou informações falsas sobre a participação de Ângela Regina Rodrigues no comando do grupo.

Em junho, o órgão antitruste já havia multado a Anhanguera em R$ 4 milhões, pela omissão de informações relevantes ou mesmo entrega de falsos dados para a análise do órgão no mesmo processo.

Na ocasião, o conselheiro relator do caso, Alessandro Octaviani, afirmou que as empresas prestaram informações falsas sobre a participação da família Rodrigues no capital do grupo.

O Cade ainda julgará nesta quarta-feira, 04, outro auto de infração contra a Anhanguera sobre a apresentação de informação inverídica a respeito da participação de Gabriel Rodrigues e sua família no Fundo de Educação para o Brasil (FEBR), controlador do grupo.

Essa informação inverídica consistiria na afirmação de que o empresário deteria apenas 7,5% do FEBR, quando na verdade ele e sua família teriam participação de 75,7% no referido fundo.