BTG é punido por detentores de bônus após resultados

Os detentores de títulos de dívida externa estão começando a perder a confiança no Grupo BTG Pactual, do bilionário André Esteves

São Paulo – Os detentores de títulos de dívida externa estão começando a perder a confiança no Grupo BTG Pactual, do bilionário André Esteves.

O retorno total das notas de US$ 1 bilhão com vencimento em 2020 caiu 5,9 por cento desde 25 de fevereiro, quando a empresa com sede em São Paulo não atingiu as estimativas de lucro dos analistas por causa dos negócios de principal investments e das provisões para crédito inadimplentes.

A queda nos retornos, a maior entre os 80 maiores bancos dos mercados emergentes, elevou os custos dos empréstimos para 6,95 por cento, o nível mais alto em 19 meses, mostram dados da Bloomberg.

Os investidores estão preocupados que o BTG, administrado pelo presidente Esteves, possa ter prejuízos ainda maiores em negócios como private equity, onde a transparência é menor, disse Rodolfo Amstalden, analista da firma de consultoria de investimentos Empiricus Research.

Entre os cinco maiores bancos do Brasil, o BTG é também o banco com maior exposição de sua carteira de crédito aos setores de petróleo e infraestrutura, maiores implicados na investigação de corrupção na Petrobras.

“O BTG é uma caixa preta”, disse Amstalden, de São Paulo. “O nível de visibilidade é horrível. A maior parte dos investimentos que consigo ver está indo mal, e aqueles que não consigo ver?”

A curva dos títulos de dívida externa do BTG Pactual se move junto com as dos bancos brasileiros, o que é esperado dada a volatilidade no mercado financeiro nacional, disse um porta-voz do BTG em comunicado por e-mail.

“Os investidores ainda não entendem” que o BTG Pactual é muito menos correlacionado com o risco Brasil do que eles consideram, com cerca de 50 por cento das receitas esperadas para este ano vindo de fora do Brasil, segundo o e-mail.

Principal investments O único banco de investimento de capital aberto do Brasil informou um lucro líquido no quarto trimestre de R$ 848 milhões (US$ 296 milhões), ou 94 centavos por ação. O resultado foi menor do que a estimativa de R$ 1,02 de quatro analistas consultados pela Bloomberg.

A área de principal investments, que inclui private equity, real estate e trading proprietário, registrou um prejuízo de R$ 132 milhões, na comparação com a receita de R$ 474 milhões há um ano.

A receita com empréstimos corporativos do BTG caiu quase 50 por cento depois que o banco separou mais dinheiro para prejuízos com empréstimos. Esteves disse em uma teleconferência no dia 26 de fevereiro que o aumento na provisão estava relacionado principalmente à exposição do BTG à Eneva SA, empresa brasileira de serviços públicos controlada pela EON SE e pelo ex-bilionário Eike Batista.

A empresa, anteriormente conhecida como MPX Energia SA, entrou com pedido de recuperação judicial em dezembro.

Os setores petroquímico e de petróleo, gás e construção equivalem a cerca de 14 por cento dos empréstimos do BTG, disse o Deutsche Bank AG em um relatório no dia 8 de março. Tito Labarta, analista do Deutsche Bank, reduziu sua estimativa de lucro líquido para o BTG em 8 por cento, citando sua “transparência limitada e os riscos de seu financiamento de atacado”.

Sete Brasil

Diversas construtoras e empresas relacionadas ao setor de energia foram implicadas em uma investigação sobre acusações de que executivos da Petrobras, a companhia petrolífera controlada pelo Estado, aceitaram propinas em troca de contratos.

A Sete Brasil Participações SA, uma fornecedora da Petrobras na qual o BTG investiu menos de R$ 1 bilhão, é uma das empresas citadas como envolvida nos subornos.

Pedro Barusco, um ex-executivo da Petrobras e ex-diretor de operações da Sete Brasil que confessou ter aceitado propinas, disse nesta semana, em uma audiência da CPI da Petrobras no Congresso, que a Sete Brasil poderá ir à falência se não contar com financiamento bancário.

A assessoria de imprensa da Sete Brasil disse, por e-mail, que a empresa está trabalhando para conseguir financiamento de longo prazo.

No mês passado, em uma teleconferência no dia 26 de fevereiro, Esteves, do BTG, disse que está preparado para entregar um retorno sobre o capital de 20 por cento mesmo se a Sete Brasil entrar em colapso. Ele disse que está “chocado” com as acusações contra a Sete Brasil e que o BTG tem uma exposição “muito baixa” à Petrobras.

Os rendimentos das notas do BTG para 2020 deram um salto de 1 ponto porcentual desde 25 de fevereiro, para 6,8 por cento, bem acima da média de 0,1 ponto porcentual dos bancos que são considerados grau de investimento. O BTG é classificado como BBB- pela Fitch, a nota mais baixa para os investimentos de baixo risco.

“No fim das contas, não há muitas razões para animação”, disse Amstalden, da Empiricus.