Avon é empresa de cosméticos mais barata que se pode comprar

As empresas de aquisições não podem achar uma vendedora de cosméticos mais barata do que a Avon, mas o motivo dela ser tão barata é outra questão

Nova York – As empresas de aquisições não podem achar uma empresa de bens pessoais mais barata do que a Avon Products Inc. Se há um motivo para a empresa ser barata é outra questão.

As ações da vendedora de cosméticos operam a um múltiplo em relação a sua receita menor do que outras empresas de tamanho similar, apesar de que a Avon cresceu 15 por cento ontem, quando a Dealreporter disse que a empresa com sede em Nova York tinha organizado negociações com a empresa de private equity TPG Capital.

Uma aquisição faz sentido porque a Avon tem muitas oportunidades para incrementar seu fluxo de caixa e se encontra no meio de uma recuperação, disse Joshua Strauss, um dos gerentes do Appleseed Fund em Chicago para a Pekin Singer Strauss Asset Management Inc.

“Ser uma empresa de capital aberto acarreta custos importantes e é uma grande distração quando eles precisam se focar muito na tarefa em andamento”, disse Strauss, cujo fundo supervisiona cerca de US$ 300 milhões, incluindo ações da Avon, em uma entrevista por telefone. “Eles têm muito para consertar, o que irá demorar vários trimestres, e há impaciência nas ruas”.

A TPG e a Avon já fecharam acordos no passado. A fornecedora de maquiagem com vendas de porta em porta vendeu sua participação na Avon Japan para uma afiliada da TPG em 2010. Linda Bolton Weiser da B. Riley Co. estima uma cotação potencial para venda de até US$ 14 por ação.

É um prêmio de mais de 60 por cento sobre o preço de encerramento da Avon ontem, de US$ 8,66, mas continua abaixo da oferta de US$ 23,25 por ação feita pela Coty Inc., rejeitada pela Avon em 2012.

Depois, a Coty retirou uma oferta adoçada de US$ 24,75 por ação, mencionando a “relutância em se engajar em discussões” da Avon.

Problemas da Avon

A Avon, cujo valor de mercado é de US$ 3,8 bilhões, opera a 0,4 vezes sua receita nos últimos 12 meses, perto do seu menor valor em pelo menos uma década.

As ações têm despencado porque a empresa informou dois anos de perdas e acumulou até US$ 500 milhões em gastos para terminar com acusações de suborno. Projeta-se que a Avon informe sua menor receita anual desde 2006 quando anuncie seus lucros no mês que vem.

É menos provável que compradores estratégicos se interessem pela empresa em problemas, disse Strauss. Reformas corporativas como a que a Avon precisa são mais a fortaleza de empresas de private equity.

“O poder subjacente de ganhar lucros é muito importante”, disse ele. Se eles conseguirem fazer com que a Avon se recupere, um comprador do setor de private equity “vai ganhar muito dinheiro”.