Área de abastecimento da Petrobras recebeu R$ 18,3 bi

O montante representa 21% do total investido na estatal

São Paulo – Do total de R$ 87,140 bilhões investidos pela Petrobras no ano passado, a área de Abastecimento recebeu aporte de R$ 18,3 bilhões, 21% do total, a maior parte aplicada no parque de refino e R$ 5,8 bilhões aportados na Refinaria Abreu e Lima (Rnest).

A construção da Rnest está envolvida nas investigações de corrupção da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, que apontou superfaturamento nas obras.

Segundo pontuou a Petrobras, no relatório da administração, que acompanha o balanço financeiro auditado de 2014, recentes circunstâncias levaram à postergação do segundo trem de refino de Abreu e Lima, como o declínio dos preços do petróleo, desvalorização do real e insolvência de empreiteiras e fornecedores, “com carência no mercado de fornecedores qualificados disponíveis (como resultado das investigações da Operação Lava Jato e outros motivos)”, explica a empresa, no documento.

A Petrobras ressaltou, nas notas explicativas, que os investimentos totais no ano passado foram alocados, prioritariamente, nas atividades exploratórias, no desenvolvimento da produção e na ampliação da infraestrutura logística para escoamento de petróleo e derivados.

Os aportes também se destinaram à construção de refinarias, de unidades para a qualidade dos Combustíveis, fábricas de fertilizantes, usinas termelétricas e no aumento da capacidade de produção de etanol e de biodiesel.

Exploração

A maior parte dos investimentos da Petrobras em 2014, 66%, com R$ 56,898 bilhões, foi para a área de Exploração e Produção (E&P).

Deste total, R$ 39,8 bilhões foram destinados para a produção, R$ 10,4 bilhões para exploração e R$ 6,6 bilhões à infraestrutura.

“Os investimentos visaram ao desenvolvimento da produção de novos campos do pré-sal e no pós-sal, à manutenção da produção em campos antigos e à melhoria da infraestrutura logística e tecnológica”, destacou a Petrobras, no relatório da administração, que acompanha o balanço financeiro auditado de 2014 da companhia.

A estatal destacou que iniciou a operação de quatro novas plataformas, com capacidade total para processar 660 mil barris de petróleo por dia (bpd), dos quais 525 mil bpd correspondem à nova parcela.

A área de gás e energia recebeu investimentos em torno de R$ 6,002 bilhões, 7% do total, no qual parte dos recursos foi aplicada na construção dos gasodutos de duas rotas de escoamento para projetos do pré-sal. A companhia também informou no relatório que iniciou a operação da Unidade de Produção de Sulfato de Amônio (Sergipe), com capacidade para produzir 303 mil toneladas por ano.

A subsidiária Petrobras Distribuidora investiu R$ 1,1 bilhão, com prioridade na ampliação da capacidade logística, “para fazer frente ao crescimento da demanda doméstica por combustíveis”, pontuou a estatal petroleira.

No segmento internacional, os investimentos atingiram R$ 3,6 bilhões, sendo a maior parte aplicada em exploração e produção, com destaque para o início da produção no campo de St. Malo, nos Estados Unidos, descoberto em 2003 e onde a Petrobras possui 25% de participação.

2015

Ontem, em coletiva de imprensa, o presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, disse que o plano de negócios para os próximos cinco anos deve ser apresentado em aproximadamente 30 dias.

O plano de negócios 2014-2018, apresentado em fevereiro de 2014, prevê investimentos de US$ 220,6 bilhões.

“Cumprimos com a obrigação legal de ter um balanço crível e auditado e passamos a um segundo desafio. O corpo gerencial se reúne para fazer revisitação do plano de negócios e em aproximadamente 30 dias devemos voltar a público”, disse.