Acionistas do JPMorgan são aconselhados a rejeitar diretores

Acionistas devem votar contra a reeleição de três membros do conselho, que não conseguiram supervisionar a tomada de riscos que levou a perdas de US$ 6,2 bilhões

NOVA YORK – Acionistas do JPMorgan Chase & Co devem votar contra a reeleição de três membros do conselho, porque eles não conseguiram supervisionar adequadamente a tomada de riscos que levou a perdas de 6,2 bilhões de dólares com as operações chamadas “Baleia de Londres”, afirmou uma influente empresa de consultoria de procurações.

O ISS Proxy Advisory Services disse em um relatório divulgado na sexta-feira que os diretores David Cote, James Crown e Ellen Flutter não devem ser reeleitos na reunião anual da empresa este mês, por causa de “falhas de materiais de administração e de supervisão de risco.” A empresa também renovou a sua recomendação de um ano atrás de que o presidente-executivo e presidente do conselho, Jamie Dimon, desistisse de um desses dois títulos. O ISS disse que as investigações sobre as perdas com derivativos, que surgiu pouco antes da reunião de acionistas do ano passado, mostrou que os executivos do JPMorgan precisam de supervisões mais independentes e que a empresa é muito grande e muito complexa para uma pessoa ser capaz de fazer os dois trabalhos.

Os acionistas irão se reunir no dia 21 de maio em Tampa, Flórida. Eles vão votar a reeleição de 11 diretores da empresa e sobre uma proposta não vinculante de quatro acionistas institucionais pedindo ao conselho para ter um presidente do conselho que é independente da administração. Uma proposta semelhante não passou no ano passado, recebendo apenas 40 por cento dos votos.