A era da gestão por propósito

O primeiro passo para atender a este novo modelo de gestão no mercado de trabalho é definir o propósito

A história do trabalho consiste em uma série de movimentos e rupturas. Atualmente uma nova ruptura começa a se estabelecer, resultado do número crescente de profissionais que atingem o auge corporativo mas sentem um vazio. Mesmo no emprego dos sonhos, eles se perguntam: para que tudo isso? Gente boa, engajada e capaz é fundamental para ajudar a empresa a crescer. Mas quem são? O que as faz ficar? Nesse contexto de questionamentos entra em cena a Gestão por Propósito.

 

Para atuar com sucesso com esse modelo 

O primeiro passo para atender a este novo modelo de gestão no mercado de trabalho é definir o propósito.  Há casos onde os significados são mais difíceis de se revelar. Se o médico salva vidas e o professor prepara cidadãos, o que faz um pedreiro que constrói uma Catedral? Assenta tijolos? Constrói um prédio? Ou colabora com a fé no mundo? 

Compartilhar o propósito é o segundo passo. Nessa fase toda a organização deve ser informada e ter espaço para questionar e contribuir. Até o óbvio precisa ser dito, pois encontrar significado naquilo que parecia inóspito é mobilizador. O terceiro ponto importante é cultivar os propósitos.  Planta que fica sem água padece. Por isso compartilhar histórias e as boas experiências – antigas e novas – colabora para a perenidade desse modelo de gestão inspirador.

Cada projeto, iniciativa ou mudança de rumo precisa ganhar um capítulo específico de discussão de propósito. Faz-se necessário olhar o quanto estes contribuem para o propósito identificado pela organização, mostrando a concepção de unidade. Além da conexão com o macro, existem casos de frentes de trabalho com um significado por si só. Ele também precisa ser compartilhado. Assim cada um sabe da relevância daquilo que realiza, indo além do simples bater meta. 

Sem um desempenho positivo, do ponto de vista financeiro, dos clientes, dos processos internos e equipe, inexiste negócio. Entretanto, com um significado maior, profissionais permanecem firmes mesmo nos momentos de crise. Cada um que se identifica com o propósito dá o algo a mais.

Mas, também pode acontecer de alguns não se identificarem com os propósitos compartilhados.  Esses indivíduos, que ficam no meio do caminho, devem ser incentivados a procurar o seu propósito em outro lugar. Passar a existência, ou parte dela, onde nada faz sentido, é desperdício de talento e de energia.

*Este artigo é de autoria de Maria Candida Baumer de Azevedo, diretora da consultoria People & Results, e não representa necessariamente a opinião da revista.