Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,67 0,13%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

5 ameaças às empresas familiares – segundo elas mesmas

A consultoria ouviu presidentes de 1.400 companhias em todo o mundo e revela o que as companhias administradas pelos próprios donos temem

São Paulo – Melhorar salários e benefícios, competir internacionalmente e atrair e reter talentos. Esses são alguns pontos vistos como ameaças por empresas familiares, segundo a PWC.

A consultoria ouviu presidentes de 1.400 companhias em todo o mundo no fim do ano passado e recortou as informações referentes às organizações administradas pelos próprios donos.

Abaixo, veja como elas se posicionam e o que consideram ser os principais desafios para seus negócios.

1. Enfrentar os novos concorrentes

De acordo com o estudo da PwC, 66% das empresas familiares mencionaram a crescente quantidade de competidores no mercado como uma das maiores ameaças a enfrentar.

Entre as empresas estatais e privadas os percentuais foram menores, de 57% e 59%, respectivamente.

2. Competir internacionalmente

Segundo a PwC, o avanço do consumo online, que não tem fronteiras, está levando as empresas familiares a criar estratégias para competir globalmente.

Entre as ouvidas na pesquisa, 31% disseram que pretendem formalizar parcerias estratégicas e joint ventures nos próximos 12 meses.

O número, na visão da PwC, é “surpreendente próximo” ao das empresas privadas que têm os mesmos planos, de 47%.

3. Atrair e reter talentos

Empresas familiares muitas vezes não têm plano de carreira definido, não oferecem participação societária e nem benefícios competitivos aos funcionários, conforme constata a PwC.

Além disso, eventuais conflitos entre os familiares que comandam o negócio podem desmotivar candidatos de nível gerencial, segundo a consultoria.

Por esses motivos, 40% delas afirmaram estar extremamente preocupadas com a retenção de talentos. Entre as empresas estatais, o índice foi de 25% e entre as privadas em geral, de 33%.

4. Melhorar o salário, programas de incentivo e benefícios

A preocupação com a retenção de talentos se confirma no plano de ação das empresas.

Dos donos de negócios familiares entrevistados, 42% pretendem mudar sua política salarial e de benefícios neste ano, contra 33% dos presidentes das demais companhias ouvidas.

5. Manter a confiança dos consumidores

De acordo com a PwC uma das maiores cartas na manga das empresas familiares é o relacionamento mais próximo com os clientes.

Isso é observado principalmente em companhias locais, que têm laços fortes com a comunidade, o que proporciona mais confiança na qualidade dos produtos.

Mesmo com esse ponto a favor, 48% das organizações familiares disseram estar preocupadas em manter a boa relação com o consumidor, fatia pouco menor do que a das demais empresas, de 53%.