Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

2017 não será um ano fácil, prevê presidente da Embraer

Ele considerou, porém, que apesar do cenário difícil, a Embraer está posicionada de forma "muito forte"

São Paulo – O ano de 2017 não será um ano fácil, avaliou na terça-feira, 20, o presidente da Embraer, Paulo César de Souza e Silva.

“O mundo anda bastante complicado e a aviação como um todo vem em um ciclo um pouco mais soft”, disse. Ele considerou, porém, que apesar do cenário difícil, a Embraer está posicionada de forma “muito forte”, tendo em vista os investimentos realizados ao longo dos últimos anos, da ordem US$ 5 bilhões.

Ele destacou os novos projetos em andamento seja na aviação executiva – a nova geração de jatos, os E-Jets E2 – e o avião cargueiro KC-390, que devem chegar ao mercado a partir de 2018.

“(A nova geração de aviões comerciais) vai ser a família de aviões mais eficientes no segmento de 70 a 120 assentos, não tenho dúvida disso, os números mostram, cada um dos aviões tem sua eficiência otimizada para aquele mercado”, defendeu.

Segundo Silva, o desenvolvimento dos novos jatos está em dia, com três aviões atualmente em testes de voos e o quarto para entrar em janeiro próximo.

Silva também salientou que do ponto de vista financeiro a companhia segue com classificação de grau de investimento.

“Temos um balanço muito forte e o Brasil está dois ‘notes’ abaixo da Embraer, ou seja, isso mostra a qualidade dos resultados da Embraer – ativo, passivo e resultado – e nossas ações são para mantermos esse equilíbrio, manter a empresa muito forte e tenho certeza que vamos atravessar 2017 e entrar em 2018 muitíssimo bem”, disse o presidente da companhia, durante evento com jornalistas.

O presidente da fabricante brasileira de aeronaves comentou que 2016 também foi um ano difícil, particularmente no País, mas também globalmente.

“Estamos vivendo uma situação inédita, com uma crise econômica e política extremamente forte e ainda não estamos vendo como isso vai terminar ou qual serão os próximos capítulos”, afirmou, referindo-se ao Brasil.

Ele disse não estar muito otimista e previu uma melhora do cenário nacional apenas em três ou quatro anos. Ele salientou que a Embraer tem apenas uma pequena fatia de suas receitas provenientes do Brasil, de cerca de 8%. “Desta forma, não estamos sendo muito afetados pela crise”, disse.

Em termos mundiais, Silva considerou que houve uma mudança forte de perspectiva, e citou os conflitos pelo mundo, economias ainda em recuperação, como a Rússia, a Europa e os Estados Unidos, e incertezas políticas internacionais, como a saída do Reino Unido da União Europeia e a crise italiana.

“O cenário que desenhamos anos atrás, quando criamos e desenvolvemos o modelo de negócios que temos hoje, acabou não se realizando”, disse.

Foco

O vice-presidente de Negócio de Aviação Comercial da Embraer, John Stephen Slattery, avalia que os mercados da América do Norte, China e Sudeste Asiático serão os principais pontos de atuação do segmento ao longo de 2017, enquanto o Oriente Médio deve ganhar espaço a partir de 2018.

Em relação à China, Slattery pondera que, apesar da desaceleração no ritmo de crescimento econômico, o PIB chinês ainda irá se expandir num ritmo próximo a 5% ao ano.

“Esse nível de alta, para nós, é extraordinário”, disse o executivo. Para Slattery, esse patamar implica uma alta forte da demanda por voos no País e, consequentemente, faz com que o segmento de aviação comercial permaneça aquecido.

Quanto ao mercado da América do Norte, o executivo avalia que os Estados Unidos estão dando sinais de uma retomada no crescimento econômico, o que também auxilia o segmento de aviação comercial da Embraer. No entanto, ele destaca que a frota das aeronaves norte-americanas já possui uma idade avançada, sendo necessário um novo ciclo de aquisições para a substituição destes ativos.

Já em relação ao Sudeste Asiático, Slattery classifica o mercado como um “alvo chave” para 2017. “Temos uma grande operação em Cingapura, e eu gostaria de abrir novos países no Sudeste Asiático”, afirmou.

Questionado sobre o interesse da aviação comercial da Embraer no Oriente Médio, o executivo destaca que a região deverá ganhar mais importância de 2018 em diante, com um plano de substituição dos E-Jets de primeira geração existentes nesse mercado.

“Temos uma boa penetração na região”, disse. “As aéreas do Oriente Médio estão animadas em relação à tecnologia dos motores dos E-Jets de segunda geração, por causa do ambiente difícil, com muita areia.”

Segmento de defesa

Silva afirmou que o segmento de Defesa e Segurança é a “grande aposta” da companhia para o futuro, com grandes expectativas em relação à aceitação da aeronave KC-390 no mercado global.

“(Defesa e Segurança) já é uma área que vem bem nos últimos anos”, destacou Silva, durante almoço com jornalistas, em São Paulo. “Apostamos muito na entrada (do KC-390) de forma mais global”.

O executivo ressaltou que a aeronave militar começará a ser entregue à Força Aérea Brasileira (FAB) e aos clientes no exterior a partir de 2018. “Temos alguns planos de reforçar nossa equipe de Defesa no mercado internacional, para que consigamos ter uma penetração com o KC”, disse Silva. “Acreditamos que muitas forças aéreas, de muitos países, terão interesse.”

O KC-390 é uma aeronave militar que está sendo desenvolvida pela Embraer, capaz de realizar missões de transporte e lançamento de cargas e tropas, reabastecimento em voo, busca e resgate e combate a incêndios florestais, entre outras.

O primeiro protótipo realizou seu primeiro voo em fevereiro de 2015 e dois protótipos estão atualmente em campanha de testes de voo. O avião está atualmente em uma turnê por oito países e espera receber a certificação até o final de 2017.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. antonio carlos

    CEO da EMBRAER esperando um 2017 difícil a frente, novidade, e pelo vista a verba do 3ª e 4ª protótipos do KC-390 vão ser usados para destravar o projeto e começar a vender. Senador Braga , picareta, assegurou isso no orçamento de 2017.