Dólar R$ 3,28 0,59%
Euro R$ 3,67 0,09%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -1,54% 61.673 pts
Pontos 61.673
Variação -1,54%
Maior Alta 7,00% EMBR3
Maior Baixa -31,34% JBSS3
Última atualização 22/05/2017 - 17:21 FONTE

Venezuelanos chegam à Colômbia após abertura da fronteira

Os presidentes venezuelano e e colombiano acordaram "abrir a fronteira de maneira progressiva, com rígida vigilância e segurança"

Alguns buscavam alimentos e medicamentos. Outros, queriam visitar familiares para as festas de Natal e Ano Novo.

Milhares de venezuelanos cruzaram nesta terça-feira as passagens fronteiriças para pedestres com a Colômbia, reabertas após oito dias por causa de um colapso monetário.

“Graças a Deus a fronteira foi reaberta. Vinha muita gente fazer suas compras do outro lado, porque não conseguimos comida, fraldas para nossas crianças, medicamentos”, disse Christian Sánchez, locutor de 29 anos, enquanto atravessava a ponte internacional Simón Bolívar, que conecta as cidades de San Antonio (Venezuela) e Cúcuta (Colômbia).

Em uma conversa por telefone, na segunda-feira à noite, os presidentes venezuelano, Nicolás Maduro, e, e colombiano, Juan Manuel Santos, acordaram “abrir a fronteira de maneira progressiva, com rígida vigilância e segurança”, informou o ministro venezuelano de Comunicação e Informação, Ernesto Villegas.

Assim, os cruzamentos limítrofes se restabeleceram desde as 06H00 locais desta terça-feira (08H00 de Brasília), sob vigilância dos militares.

O transporte de carga, entretanto, permanece interrompido.

Maduro ordenou fechar as fronteiras com a Colômbia e com o Brasil no dia 12 de dezembro, alegando que “máfias” estariam acumulando o papel-moeda venezuelano no exterior para atacar a economia do país, golpeada por uma inflação de 475%, segundo o FMI – a mais alta do mundo – e uma aguda escassez de alimentos básicos e medicamentos.

A medida coincidiu com momentos de grande incerteza por violentos protestos e saques em várias cidades, que deixaram pelo menos três mortos e aproximadamente 300 detidos, sobretudo no estado Bolívar (sul), onde cerca de 600 estabelecimentos comerciais sofreram danos.

Os distúrbios eclodiram na sexta e no sábado após a decisão do governo de recolher das ruas a nota de 100 bolívares (0,15 dólar no câmbio oficial mais alto), o de maior valor e circulação, até a entrada gradual de novas unidades monetárias.

Maduro atribuiu os atrasos na entrega dessas unidades monetárias a um a “complô” comandado pelos Estados Unidos.

O venezuelano classificou de “bem sucedida” a operação contra as “máfias” e prorrogou a vigência da nota de 100 e o fechamento das fronteiras com a Colômbia e o Brasil, até o dia 2 de janeiro.

“Não se sabe o que fazer”

Longas filas de pessoas – muitas após dormir na rua – se formaram nos dias de fechamento da alfândega de San Antonio. “Queremos passar!”, gritavam na esperança de receber uma autorização especial para passar por razões médicas e familiares, mas ela era dada a conta-gotas.

Ali, Carrasco e Carmen de Carrasco, um casal de sexagenários, atravessaram nesta terça.

“Vamos passar o Natal com nossos filhos. Não vamos comprar nada e estamos cansados”, queixou-se Carmen, aborrecida por ter que “fazer e desfazer” as malas com os recorrentes fechamentos das passagens limítrofes.

A fronteira de 2.200 km entre Venezuela e Colômbia esteve fechada entre agosto de 2015 e agosto de 2016 por ordem de Maduro, após um ataque armado de supostos paramilitares colombianos contra uma patrulha militar venezuelana.

Segundo alertam sindicatos, 75% do comércio do lado venezuelano da área deve fechar. Tradicionalmente, San Antonio e Cúcuta tiveram um intenso intercâmbio comercial.

“Normalização da fronteira”

Para Marta Cárdenas, colombiana de 51 anos que vive na Venezuela, a reabertura das passagens de pedestres representa “um respiro” aos problemas diários, agravados nos últimos dias pela falta de efetivo entre longas filas a agências de bancos públicos e privados.

Com o retorno temporário das notas de 100, a situação se normalizou desde a tarde de segunda-feira.

O mesmo acontece na fronteira com a Colômbia, embora os governos não tem informado como será feita a abertura total.

Villegas ressaltou que Maduro e Santos “instruíram seus ministros da Defesa (Vladimir Padrino e Luis Carlos Villegas) a coordenar ações imediatas para uma normalização da fronteira”, uma vez que foram pactuados contatos entre seus bancos centrais para enfrentar o que a Venezuela denomina como “ataques” à sua moeda.