Valls apresenta propostas para ser candidato da esquerda

Manuel Valls, que renunciou no mês passado ao cargo de primeiro-ministro, propôs uma revisão do sistema de bem-estar da França

Paris- O homem apontado como candidato do governista Partido Socialista na eleição presidencial da França disse nesta terça-feira que evitaria os cortes de gastos públicos draconianos planejados por seu oponente conservador, que está liderando a corrida.

Manuel Valls, que renunciou no mês passado ao cargo de primeiro-ministro, também propôs uma revisão do sistema de bem-estar da França que forneceria substanciais repasses mensais a muitos desempregados, sem que precisem comprovar que estão procurando trabalho ativamente.

Valls, de 54 anos, disse aos eleitores que eles enfrentarão um “vasto expurgo” nos serviços públicos e no emprego se o favorito à eleição presidencial, François Fillon, de direita, vencer em maio.

Ao mesmo tempo que as pesquisas mostram que Valls deve garantir a candidatura socialista em uma votação primária no fim de janeiro, elas também sugerem que ele ou qualquer socialista será nocauteado na eleição presidencial já no primeiro turno.

Embora seja moderado em seu próprio território, Valls jogou com a divisão entre a posição da maioria da esquerda e a promessa de Fillon de cortes de gastos no valor de 100 bilhões de euros além do corte de 500 mil postos de trabalho no setor público.

“O programa da direita punirá o povo francês. É uma insuperável receita de divisão, pior do que este país viu nas últimas décadas”, ele disse em uma coletiva de imprensa em que apresentou seu programa.

Valls disse que, sob seu governo, a França respeitará o objetivo da União Europeia de manter o déficit do setor público abaixo de 3 por cento do Produto Interno Bruto, mas não buscará reduzi-lo a zero.