Dólar R$ 3,28 0,39%
Euro R$ 3,67 -0,04%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,95% 63.257 pts
Pontos 63.257
Variação 0,95%
Maior Alta 5,04% SMLE3
Maior Baixa -3,99% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 17:20 FONTE

Turquia quer estabelecer cessar-fogo na Síria antes do Ano Novo

Ministro das Relações Exteriores turco também disse que todos os grupos combatentes estrangeiros na Síria, incluindo o Hezbollah, devem deixar o país

Anacara – A Turquia quer estabelecer um cessar-fogo na Síria antes do Ano Novo, e irá agir juntamente com a Rússia como fiadora do acordo, disse o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, nesta quinta-feira.

Em entrevista à emissora AHaber, Cavusoglu também disse que todos os grupos combatentes estrangeiros na Síria –incluindo o Hezbollah– devem deixar o país. Seus comentários vieram à tona um dia depois de a Turquia dizer que preparou, junto com a Rússia, um acordo de cessar-fogo.

“Estamos na iminência de um acordo com a Rússia. Se tudo der certo, faremos este acordo. A Rússia será a fiadora do regime”, afirmou Cavusoglu, acrescentando que o pacto pode ser implementado antes da virada do ano.

“Rússia e Turquia são fiadoras do acordo sendo acertado em Ancara. Não há nada definitivo sobre o Irã assinar como fiador ou não… todos os combatentes estrangeiros precisam deixar a Síria. O Hezbollah precisa voltar ao Líbano”, acrescentou.

Os comentários de Cavusoglu parecem sinalizar um avanço tímido nas conversas visando a obtenção de uma trégua, mas a insistência de Ancara sobre a saída do presidente sírio, Bashar al-Assad, pode complicar as negociações com a Rússia, sua principal apoiadora.

As exigências para que os xiitas libaneses do Hezbollah partam da Síria podem incomodar o Irã, outro grande apoiador de Assad. As tropas do Hezbollah estão lutando ao lado de forças governamentais sírias contra rebeldes que se opõem a Assad.

Os principais grupos rebeldes sírios estão discutindo com a Turquia a proposta de cessar-fogo sendo negociada com a Rússia, mas rejeitaram a exigência de Moscou de excluir um bastião insurgente próximo da capital de qualquer acordo, disse uma autoridade rebelde de alto escalão à Reuters na quarta-feira.