Turquia acaba com tribunais que condenaram oficiais

Parlamento turco aprovou o fim das jurisdições especiais que condenaram centenas de oficiais acusados de conspiração contra partido governante

Ancara – O Parlamento turco aprovou nesta sexta-feira o fim das jurisdições especiais que condenaram centenas de oficiais acusados de conspiração contra o governante Partido da Justiça e Desenvolvimento (AKP).

A reforma judicial do governo islamita conservador foi apoiada pelo primeiro-ministro Recep Tayyp Erdogan, afetado por um escândalo de corrupção.

Erdogan tenta assim ganhar a simpatia dos círculos laicos e militares ante o que considera uma conspiração contra o AKP pelo movimento Hizmet, do líder muçulmano Fetullah Gülen, seu ex-aliado.

De acordo com o texto aprovado, as competências dos tribunais especiais serão transferidas a cortes de direito comum.

Desde dezembro, Erdogan acusa o movimento de Gülen de aproveitar sua influência na polícia e na justiça turcas para manipular as investigações de corrupção com o objetivo de desestabilizar o governo antes das eleições municipais de março e das presidenciais de agosto.

O primeiro-ministro determinou punições sem precedentes nas duas instituições.

O Estado-Maior do exército turco pediu recentemente a revisão dos julgamentos de 2012 e 2013 que condenaram centenas de militares, alegando que foram usadas provas “manipuladas”.