Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,67 0,13%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,05% 63.227 pts
Pontos 63.227
Variação -0,05%
Maior Alta 22,54% JBSS3
Maior Baixa -4,09% CYRE3
Última atualização 25/05/2017 - 17:21 FONTE

Trump volta a chamar Bill Clinton de “predador sexual”

"Como enfatizei ontem à noite (domingo), Bill Clinton foi o maior abusador que já sentou no Salão Oval. Era um predador sexual", acusou Trump em comício

Washington – O candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, retomou nesta segunda-feira os ataques contra Bill Clinton, marido da rival democrata, Hillary, a quem qualificou de “predador sexual” em seu primeiro ato de campanha após o segundo e áspero debate de domingo.

“Como enfatizei ontem à noite (domingo), Bill Clinton foi o maior abusador que já sentou no Salão Oval. Era um predador sexual”, acusou Trump em Ambridge, na Pensilvânia, em seu retorno aos comícios eleitorais após o fim de semana e o escândalo pela revelação de um vídeo de 2005 no qual o magnata fazia comentários obscenos em relação às mulheres.

O vídeo fez com que vários líderes republicanos retirassem ou dessem um passo atrás no apoio ao multimilionário para as eleições do dia 8 de novembro.

Trump voltou nesta segunda-feira à estratégia de que a melhor defesa é um bom ataque, ao dizer que “durante décadas, Hillary Clinton conheceu o comportamento predador de seu marido e, em vez de pará-lo, possibilitou que se aproveitasse de mais mulheres”.

Horas antes do segundo debate com Hillary, Trump se encontrou com quatro mulheres que acusaram o ex-presidente Bill Clinton de assédio sexual: Juanita Broaddrick, Paula Jones, Kathleen Willey e Kathy Shelton.

Em discurso nesta segunda-feira, Trump, que aparece abaixo da rival nas pesquisas de intenções de voto, retomou seus temas frequentes como a crítica ao “status quo”, que na sua opinião representa Hillary, e seus ataques aos veículos de imprensa.

Além disso, prometeu devolver os postos de trabalho que tinham sido transferidos ao exterior pela “nefasta” política econômica e comercial do atual presidente, Barack Obama.

“Os trabalhadores da Pensilvânia serão contratados para fazer o trabalho. Hillary Clinton preferiria dar empregos a pessoas que entram no país de maneira ilegal”, disse Trump em Ambridge, uma cidade próxima a Pittsburgh, antigo centro siderúrgico do país e que foi afetado pela reconversão industrial e a globalização.