Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Trump substituirá “Obamacare” por plano de saúde quase simultâneo

"Vamos ter um sistema de saúde que é muito menos caro e muito melhor", afirmou Trump em entrevista coletiva

Nova York – O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, enfatizou nesta quarta-feira a intenção de derrubar o programa de saúde conhecido como “Obamacare” e anunciou que o substituirá “quase simultaneamente” por um novo plano.

“Vamos ter um sistema de saúde que é muito menos caro e muito melhor”, afirmou Trump em entrevista coletiva concedida em Nova York, a primeira desde julho do ano passado e a nove dias de tomar posse na Casa Branca.

A lei de Proteção ao Paciente e de Cuidado de Saúde, um programa conhecido como “Obamacare”, foi lançada por iniciativa do presidente em fim de mandato, Barack Obama, e permitiu a extensão de um plano de saúde a milhões de americanos que careciam de um.

Durante a campanha eleitoral, este plano foi duramente criticado por Trump, que não deu detalhes sobre que alternativa surgirá e se haverá medidas transitórias entre o velho e o novo esquema.

“‘Obamacare’ é um completo desastre”, comentou o magnata republicano nesta quarta-feira.

Trump também disse que quando começar a trabalhar o novo secretário de Saúde, Tom Price, será anunciado um novo plano “quase simultaneamente, ou um pouco depois” de derrubar a lei impulsionada por Obama: “Derrubarei e substituirei” a lei, ressaltou.

Segundo a imprensa local, a tentativa de Trump em derrubar o programa atual está encontrando oposição entre legisladores do próprio Partido Republicano, que acham melhor já haver uma alternativa clara antes que o “Obamacare” seja derrubado.

Além disso, as novas medidas de substituição a esse programa podem necessitar o apoio de 60 senadores, oito a menos que os republicanos têm agora, o que levaria longas negociações com os democratas para aprovar a alternativa. EFE