Tribunal inicia processo de impeachment da presidente sul-coreana

Park é acusada de estar envolvida com uma amiga de longa data na extorsão de dinheiro e favores das empresas

Seul – Legisladores acusaram a presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, de violar “amplamente e gravemente” a constituição no primeiro dia em que o Tribunal Constitucional começou a ouvir os argumentos em uma tentativa de causa o impeachment da presidente.

Enquanto os legisladores, que atuam como promotores no julgamento, argumentaram que Park deveria ser retirada da presidência, seus advogados afirmaram que as acusações não possuem evidência.

Park é acusada de estar envolvida com uma amiga de longa data na extorsão de dinheiro e favores das empresas, além de permitir que sua amiga interferisse no governo.

Enquanto a audiência de um possível impeachment estava acontecendo, a amigo de Park, Choi Soon-sil, apareceu em outro tribunal em Seul, onde ela disse ao juiz que nega as acusações contra ela.

Também na sala de audiências presidenciais está Ahn Jong-beom, que supostamente pressionou as empresas e deu dezenas de milhões de dólares para fundações controladas por Choi, e Jung Ho-sung, encarregado de passar segredos do governo para Choi, como informações sobre os candidatos ministeriais.

O promotor-chefe do processo de impeachment, o legislador Kweon Seong Dong, disse que Park deve ser removida do escritório para reparar o dano que ela tinha causado para a democracia do país.

O Parlamento votou em 9 de dezembro para acusar Park, suspendendo seus poderes e tornando o primeiro-ministro como presidente interino. O Tribunal Constitucional tem por volta de seis meses para decidir se Park deve ser removida e, depois disso, uma eleição terá que ser realizada dentro de 60 dias.

Fonte: Associated Press.