Torre Eiffel volta a abrir após cinco dias de greve

Funcionários da atração turística pararam de trabalhar para denunciar a falta de diálogo e a ausência de transparência nas decisões sobre o monumento

A Torre Eiffel abriu novamente neste domingo após cinco dias de greve para denunciar a falta de diálogo e a ausência de transparência nas futuras decisões estratégicas, informou o sindicato CGT.

Os quase 300 funcionários votaram neste domingo para voltar ao trabalho após seu protesto. Os sindicatos e a direção assinaram um acordo neste mesmo dia, explicou o CGT sem dar maiores detalhes.

No período de festas, 20.000 pessoas visitam o monumento a cada dia.

Entre os projetos que preocupam os trabalhadores está a retirada da tinta e nova pintura da torre de 117 anos, que deve reparar as partes descamadas.

Segundo os sindicatos, isto poderia representar um risco para a saúde dos funcionários já que a antiga tinta possuía chumbo em sua composição.